Ex-BBB Nego Di se defende de acusação de golpe em vendas na internet

Redação - O Estado de S.Paulo

Segundo o humorista, as entregas dos produtos atrasaram por 'erro de logística'

Nego Di falou sobre acusações de golpe por conta de atraso nas entregas de sua loja virtual.

Nego Di falou sobre acusações de golpe por conta de atraso nas entregas de sua loja virtual. Foto: João Cotta/Globo

Após divulgar produtos em sua loja virtual chamada "Tá di Zuera", o ex-BBB Nego Di recebeu reclamações de atraso nas entregas e usou o Stories do Instagram nesta terça-feira, 14, para se explicar.

"Eu estava em São Paulo, viajando, e bem por fora do que estava acontecendo. Vi que a galera estava mandando mensagem e aí eu voltei e fui ver. Por erro de quem estava responsável pela logística de produtos da empresa, as entregas foram atrasadas e a transportadora, que já tinha pegado outro serviço, se recusou a começar a fazer as entregas", disse ele.

O humorista explicou que a área de logística precisou procurar outra transportadora e acabou atrasando o processo. "Eu cheguei aqui em Porto Alegre e o bagulho estava um caos. Por ser muito barato, todo mundo estava achando que era golpe e que não iria receber. Passei ontem e hoje correndo para entender e resolver esses problemas."

Segundo ele, a partir da próxima segunda-feira, 20, a loja vai realizar os estornos para quem se arrependeu das compras e garantiu que as entregas serão feitas para quem quiser esperar.

"A gente está entregando, mas por conta própria, com carros de amigos, e está indo devagar, porque são muitos produtos e a galera se atrapalhou."

Nego Di disse que, para recompensar os clientes pelo transtorno, a empresa vai fazer o reembolso e depois entrar em contato com cada um para oferecer o mesmo produto a um preço menor. 

Horas depois, ele voltou ao Stories e comentou sobre uma reportagem feita pelo Balanço Geral, da RecordTV, que falava sobre o ocorrido.

"Atraso é a coisa mais comum que existe em empresa de entregas e lojas. A única diferença é que eu nunca vi matéria dessas empresas na Record", disse ele que ameaçou entrar com uma ação judicial contra a emissora.