''Etiqueta'' da tosse é mais útil que máscara, diz OMS

Fabiane Leite e Felipe Oda - O Estado de S.Paulo

A Organização Mundial da Saúde (OMS) não recomenda as máscaras em informe sobre prevenção da doença. Segundo Jarbas Barbosa, gerente da Área de Vigilância em Saúde e Gestão de Doenças da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), braço da OMS nas Américas, a organização deixará isso ainda mais claro nos próximos dias.Segundo Barbosa, de nada adianta usar as máscaras se os indivíduos não lavam as mãos, por exemplo, e as colocam na máscara e no rosto.Para ele, é preciso sim difundir uma "etiqueta contra a tosse" e espirros. Ao espirrar e tossir, as pessoas devem usar lenço descartável para cobrir nariz e boca e depois lavar as mãos.No Brasil, a Sperian Protection, uma das fabricantes de máscaras e respiradores PFF-2 e N95 - produzidas por pelo menos outras duas empresas, a 3M e a Descarpak -, equipamentos certificados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), registrou aumento na vendas de seus produtos.Desde que a doença passou a ser noticiada, a empresa enviou 300 mil máscaras para o México e espera vender, nas próximas duas semanas, mais 1 milhão a 2 milhões de equipamentos. "Atendemos empresas que distribuem os respiradores e máscaras para o governo mexicano", afirma Christian Steyer, presidente da filial brasileira. A capacidade de produção semanal, que antes da gripe era de aproximadamente 25 mil máscaras e respiradores, passou para 1 milhão.