Estudo abre caminho para tratar ansiedade

Reuters - O Estado de S.Paulo

Pesquisa publicada no Journal of Neuroscience aponta ligação entre uma substância química do cérebro - o fator de crescimento de fibroblasto 2 (FGF2)-e a predisposição genética à ansiedade. Segundo o estudo, ratos criados para ser altamente ansiosos possuiam no cérebro níveis muito baixos de FGF2. Quando se melhorou as condições de vida desses animais, os níveis da substância aumentaram e ele ficaram menos ansiosos.