Entre as fracas, três federais

Tiago Décimo e Simone Iwasso - O Estado de S.Paulo

Entre as piores instituições de ensino superior do País, há três novas universidades federais criadas pelo governo Lula, dentro do projeto de expansão e interiorização do ensino superior federal. Uma delas é a Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB), com câmpus nos municípios de Amargosa, Cruz das Almas, Cachoeira, São Félix e Santo Antonio de Jesus. A instituição foi criada há três anos a partir da Faculdade de Agronomia da Universidade Federal da Bahia. Justamente por isso, administradores, professores e estudantes estavam inconformados com os resultados. "É uma aberração científica e uma maldade institucional", reclama o reitor da UFRB, Paulo Gabriel Nacif. "Um equívoco estatístico." De acordo Nacif, o levantamento de dados relativos à instituição não pode servir de parâmetro. ''O único curso avaliado foi o de Engenharia Agronômica, no Enade de 2007. O exame retrata como estava o curso naquela época, não como ele é hoje", diz. Outra instituição com avaliação baixa é a Universidade Federal do Pampa (Unipampa), com câmpus em dez municípios do sul do Rio Grande do Sul. Também está com índice ruim a Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), em Petrolina, Juazeiro e São Raimundo Nonato. Procuradas pela reportagem, elas não retornaram até o fechamento desta edição.