Ensino médio vai receber livro de coleção polêmica

- O Estado de S.Paulo

Os polêmicos livros da coleção Nova História Crítica, cujos volumes para alunos de 5ª a 8ª séries foram rejeitados pela última avaliação do Ministério da Educação (MEC), serão distribuídos para estudantes do ensino médio. A edição, única para os três anos, passou no crivo dos especialistas e professores. Cerca de 407 mil exemplares já foram comprados e estão sendo enviados para as escolas que solicitaram, num custo de aproximadamente R$ 8,7 milhões. Escrita por Mario Schmidt (Editora Nova Geração), a coleção já foi usada nos últimos dez anos por mais de 20 milhões de estudantes no País. Na última semana, foi alvo de discussão, por trechos considerados como veiculação de propaganda ideológica. Isso porque, no volume para o ensino fundamental, os livros mencionam que a propriedade privada aumenta o egoísmo e o isolamento entre as pessoas e que o Movimento dos Sem-Terra (MST) se tornou um importante instrumento na luta pela justiça social no Brasil. Além disso, critica o acúmulo de capital da burguesia e faz elogios ao regime cubano. Esses volumes haviam sido aprovados em edições anteriores da avaliação e constavam do guia do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) do MEC, a partir do qual os professores fazem suas escolhas. Na última avaliação, a obra foi reprovada e tirada do guia. Quanto à série para o ensino médio, o MEC informou que não tomará nenhum tipo de medida. Isso porque ela foi aprovada por especialistas de universidades federais e escolhida pelos próprios professores das escolas.