Embrapa desenvolve inseticida para morador usar em criadouro

Lígia Formenti - O Estado de S.Paulo

Quatro cidades do País já utilizaram o produto com o objetivo de reduzir focos do mosquito ?Aedes aegypti?

Quatro cidades do País usaram uma arma a mais para reduzir os focos de Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue. São Sebastião (cidade-satélite de Brasília), Três Lagoas (Mato Grosso do Sul), Sorriso (Mato Grosso) e Rio das Ostras (RJ) aplicaram um inseticida natural desenvolvido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). A diferença desse produto com os larvicidas usados no Programa Nacional de Dengue é a forma de aplicação: é o próprio dono da casa que se encarrega de colocar as gotas do produto em áreas onde criadouros se formam."É uma ajuda poderosa, principalmente quando se leva em conta a resistência de moradores em deixar agentes de saúde entrarem em suas casas", afirmou a pesquisadora que desenvolveu o produto, Rose Monnerat.Feito em parceria com a empresa Bthek , o produto, batizado de Bt-horus, também é testado pelo Ministério da Saúde. Porém, não há data para o governo decidir sobre a adoção do inseticida pelo programa.No momento, o ministério usa dois larvicidas, um deles com o mesmo princípio ativo do Bt-horus.O larvicida é produzido com base na bactéria Bacilus thuringiensis, usada em vários programas de controle biológico. "Na natureza, ela é encontrada no solo, em insetos mortos", afirma Rose. Mas em número insuficiente para combater as larvas. O produto, porém, com grandes quantidades, consegue matar as larvas do Aedes aegypti e borrachudos. A bactéria libera uma proteína que destrói a larva. "Para o ser humano, outros insetos e animais, o produto é inofensivo, daí a possibilidade de ele ser usado nas casas", explicou a pesquisadora.Em todos os lugares onde foi usado, a população recebeu treinamento prévio. O diretor-técnico da Bthek , Marcelo Soares, afirma que, nas cidades em que o produto foi usado, o número de criadouros sofreu significativa redução. Em São Sebastião, o índice de infestação, que era de 4 (quatro focos do mosquito em cada cem casas visitadas), passou para menos de 1. O larvicida foi usado em 20 mil casas, de dezembro a maio.Em Três Lagoas, 25 mil frascos do inseticida foram distribuídos em 9 bairros da cidade onde havia maior número de criadouros. Segundo Soares, somente cinco casos da doença foram registrados na região onde o produto foi aplicado. Nos 16 bairros restantes, 340 casos de dengue foram contabilizados.