Em cena

Agencia Estado - O Estado de S.Paulo

Herói Para lembrar o significado da palavra herói - que não tem a ver com ministros, tampouco com usineiros - tem palestra dia 28, no Sesc Pinheiros, com Mac Maharaj, consultor do livro Mandela - Retrato Autorizado. 92,9 O Em Cena na Eldorado será totalfrench touch, com ícones dos 60 a novas voix: de Hervé Villar e Cabrel a Balavoine, Bruel, Piaf, os Gainsbourg, Benjamin Biolay mais Indochine, Feist, Phoenix, Air e Coralie e Corneille. Ula-ula Adriana Barra lança hoje linha de pranchas junto com coleção inspirada no Havaí vintage. O shaper Eduardo Bartolli fará tudo sob medida, com estampas da estilista que dia 3 abre loja no Leblon. Arte A SP Arte cresceu - e subiu a rampa da Bienal, onde artistas montarão projetos especiais em 800 m². Fernanda Feitosa, que organiza a feira, escalou o italiano radicado no Brasil Jacopo Criveli para selecionar 12 vídeos inéditos nacionais para uma Black Box. Criveli, por sinal, é quem comandará a representação brasileira na Bienal de Veneza. A curadora Vanda Klabin, sem-galeria e, portanto, sem poder participar da SP Arte, escolheu quatro artistas para hypar a nova safra: Camila Sposatti, Gustavo Speridião, Júlio Calado e Joana Cseko. Além disso, entram para a feira mais quatro galerias: a Tempo, de Gigi Basto e Carol Dias Leite, a portuguesa Mari Siqueira, a francesa Syncomore e a argentina Estúdio CG. A edição 2007 será menos festas e mais conteúdo. Virão personagens do mercado internacional e curadores como Agustín Perez Rubio (do Musac), que falará sobre pintura com José Rezende e Tadeu Chiarelli, Luiz Amado (do New Museum de NYC), Marcelo Pacheco (do Malba), Joel Girard (adido cultural do Centre Georges Pompidou) e Gabriel Perez Barreiro (do museu texano Blanton), que será o curador da próxima Bienal do Mercosul. Começa no dia 18 de abril. 5minutos com Daniel Galera O escritor, 27, acaba de relançar seu primeiro romance Até o dia em que o cão morreu, que Beto Brant e Renato Ciasca transformaram no longa Cão sem dono, em cartaz mês que vem em Porto Alegre e em junho em SP e Rio. 1. O filme se manteve fiel ao livro? Os dois são diferentes, mas estão ligados por muita coisa essencial. Achei quase todos os personagens muito fiéis. O protagonista talvez seja o que mais mudou - mas era inevitável, pois muita coisa subjetiva no texto precisou ser traduzida para algo mais explícito nas telas. 2. Você já conhecia o Beto? Como a Tainá Müller, sua mulher, tornou-se protagonista? Nos aproximamos depois que ele leu o livro e fechamos acordo sobre a adaptação. A Tainá seria assistente de direção e acabou escolhida para o papel. Ela queria, o Beto queria, então fechou. No primeiro momento foi estranho para mim, mas sempre soube do talento dela, então logo me acostumei e dei toda a força. Vendo o filme, dá pra ver que foi um acerto. 3. Porto Alegre está para você como o Rio está para Machado de Assis? É uma personagem? PoA de fato é personagem dos meus dois romances, porque sempre tive um vínculo muito forte com a cidade. Transmitir minha versão dela para o papel sempre fez parte do meu desejo de escrever. Acho que agora, que moro em São Paulo (faz dez meses), esse interesse se deslocará para cá, ou para outras cidades, ou para locais fictícios. Porto Alegre é minha casa, São Paulo é onde minha vida está agora - e gosto muito da cidade. 4. Já está trabalhando no próximo livro? Tenho dois projetos. Um vai se passar em Buenos Aires. Sobre o outro, é cedo demais para falar, porque até mesmo pra mim ele é um fantasma, uma idéia em formação. 5. E Mãos de Cavalo, seu último romance, vira filme também? Foi negociado com uma produtora de Porto Alegre e estão trabalhando no roteiro. 6. Dá para viver de literatura no Brasil? Até dá, mas não é fácil. Não vivo da minha literatura. Nunca encarei a escrita como forma de sustento. Self na Pelu O top maquiador Theo Carias agora está na Pelu, de Heleninha Linhares, que passou o comando do cabeleireiro da loja-conceito para ele e Paulo Schettini, que assina os cabelos. A história é cool porque tem toque de arte. Foi na Itália, em 96, que Theo começou a desenvolver a maquiagem artística. Ele - que é de Fortaleza e fez styling, vitrines, foto e make para TV - foi incentivado por uma amiga a ir para a Ilha de Elba para pintar dançarinos dos clubes. Autodidata total, nunca fez curso de make, foto (são dele as do theocarias.com), nem pintura ou bijoux - atividades que também exerce. Até sandália Melissa já fez. Para se inspirar, olha livros de arte (gosta de art nouveau e pop art) e viaja. Acaba de voltar de 10 dias em Paris. Evita comprar revistas de moda, pois acha que a globalização faz tudo virar uma coisa só, mas são dele muitas capas de Vogue. ?Sinto saudade do tempo que eu não tinha muito material e tinha que tirar leite de pedra. Não tinha blush, usava batom, não tinha batom, usava outra coisa. Agora que eu tenho esse tanto de maquiagem... não tem a poesia da descoberta, porque para mim não é a chegada, é a caminhada.? Ele também se preocupa com o social. Quer fazer workshops e ?resgatar pessoas que têm talento, mas não têm direção?. Está conversando com algumas ONGs para fazer uma parceria com o salão. O salão chama-se Self e fica no segundo andar do número 1.257 da Lorena. Original O álbum de estréia da Orquestra Imperial será diferente dos shows: em vez de interpretar clássicos, eles gravaram canções inéditas, compostas por seus integrantes. Feras como Rodrigo Amarante, Nina Becker, Thalma de Freitas, Berna Ceppas. O lançamento é dia 12 de junho, no baile dos namorados, que também vai comemorar cinco anos de Orquestra. Palco Rodrigo Pitta e Leonardo Neto colocaram, enfim, ponto final em Pátria Armada, que vinham escrevendo há 4 anos. Estréia no Festival de Curitiba em 31 de março - data do Golpe de 64 - com Theodoro Cochrane no elenco. A peça é um documentário musical sobre acontecimentos de 67 a 70, começando no backstage do festival da Record à conquista da Copa, passando por um quebra-pau em outubro de 68, com alunos do Mackenzie e da USP na Rua Maria Antonia. Tudo é hype: músicas da Tropicália, figurino de Teça Paes, cenário de Wagner Baldinato, e direção de Daniel Salvi. Sabe que... A estilista Maria Helena Lacerda resolveu que é hora de sair da toca - e contar tudo o que sabe. Piri começa a escrever um livro. Sobre Meus 30 Anos de São Paulo Definitivamente não adianta querer achar que os Jardins são como Manhattan, nem St-Germain-des-Prés. Essa história de passear por restôs, padaria e lojas, comprar revistas, tudo a pé, bem... anda complicada. Há uma gangue de seqüestros-relâmpago nos Jardins que age também a pé! Ficam de olho nos bonitinhos, bem-vestidos. Um casal - ela de bolsa, ele de mochila - andava na Oscar Freire quando topou com um grupo, fechando a passagem. Com licença, por favor. Com arma na mão disseram: ?Licença nada, isso é assalto.? Uma jovem estilista, que mora no bairro e não tem garagem em seu prédio, estava descarregando o carro na rua. Foi levada para um tour pela cidade e ficou sem a bolsa, dinheiro, óbvio, iPod, cartões - é disso que a gangue gosta. Devolveram-na e o carro, intocado. Ou seja: cuidado ao andar nos Jardins! O monge americano Geshe Michael Roach, autor de O Lapidador de Diamantes, chega ao Brasil dia 26 para oficinas de yoga e aplicação do budismo em negócios. Será em São Paulo dia 27 na Faap, dia 31 na Estação do Corpo, no Rio, e, em Búzios, dia 5 no Pérola Música baiana para exportação: Olodum, Ara Ketu e AfroReggae estão escalados para tocar no Festival de Montreux na França Até a manhã de hoje, só havia mais uma estrela da expo Ano Zero, dos designers Ângela Detanico e Rafael Laim na Galeria Vermelho - e é ótimo investimento, pois faz parte da coleção que a dupla mostrará na Bienal de Veneza. Ou seja, o preço (R$ 3 mil) subirá como cometa. Um lote veio para o Brasil, outro foi para museu europeu e o restante vai para a feira. Eles escrevem os nomes de estrelas vistas a olhos nus em Helvética Concentraded, criando estrelas conceituais polinesia (assim mesmo, sem acento, em caixa baixa) é a nova galeria paulista. Ilana Tzirulnik e Pedro Caetano mostrarão trabalhos de artistas ligados a pintura, colagem e desenho. O nome tem inspiração no Taiti de Gauguin e no sonho romântico de escapar para um paraíso. Abre dia 27 com a expo É Junho, mas Parece Novembro com obras dos artistas que entram para a galeria: Raquel Uendi, Adriano Costa, Carlos Dias, Leopoldo Estol, Rafa Dejota e Rodolfo Parigi A Biscoito Fino prepara tributo a Rita Lee. Roberto Oliveiro produz três DVDs sobre a vida e trajetória de Rita. Mais: a Biscoito colocará Yamandu Costa para gravar com Dominguinhos Mudanças no Mathis, o bar intelo-freak-chic de Paris. Aberto há alguns anos por Gerald Nanty, um ex de Valentino - que, aliás, fará o último desfile de sua carreira em junho -, o bar virou mito por ser quase impenetrável devido a mechante hostess Danielle, que chegou a expulsar Madonna por achar seus bailarinos mal vestidos. Meia Paris comemora a saída. No lugar, entra Sandrine, ex-hostess do Queen. Além disso, Mr. Nanty ampliou espaço entre mesas, que continuam sendo 7. É lá que vivem Nicholas Gheschiere e o neo jet set. O esquema: peça mesa e com sorte será encaixado em meio a desconhecidos. Uma espécie de blind date divertido O sócio-diretor do Emiliano, Gustavo Filgueiras, embarcará para a Itália e França com Marcos Mikulis, o chef José Baratino e o novo o sommelier Benedito Filho - ex- D.O.M - em busca de ingredientes e sais especiais para incrementar o cardápio do restô do hotel