Em cena

- O Estado de S.Paulo

Não sou da moda. Funciono apenas como uma espécie de curadora, que olha para a cena como uma consumista sem culpa e sem levar os devaneios desse povo a sério. Dos desfiles de verão da SPFW verão 07/08, três me pegaram. Só três , de 48. Se eu ando mais chata? Acho que sim, pois bato na tecla de que só com mais base educativa as criações terão identidade brasileira. Prova de que técnica é primordial é o melhor look da saison ser de Herchcovitch que, como sabe de fato fazer roupa, desconstruiu o universo do tango e transformou um cravo de lapela em tomara-que-caia delineado por babados-pétalas. Cavalera foi competente ao embarcar na macrotendência Novas Fronteiras, propagada pelo WGSN, criando vestidos inspirados nas formas e cores de um restê vegan de Barcelona. Mas hors-concours foi a Raia de Goeye, que não hesitou em sair do calendário oficial por conflito de patrocínio. Fernanda de Goeye e Paula Raia, abraçadas pela Lancôme, mostraram seu verão no espaço do futuro Shopping Vila Olímpia. A introdução foi com performance de acrobacia dos meninos do Grupo Aplauso, da ONG de Vik Muniz, cuja leveza casou com a dos vestidos de laise e georgette, inspirados em fadas da água. Uma coisa meio hippie, com brincos de contas de Mario Pantalena, e touch de pin-up dado por sapatos altos de vinil tartaruga transparente by Schutz, de Alexandre Birman. Mais 1O Resfest ganha outro articulador: Rodrigo Rivelino. O produtor entra para o time de Carlos Farinha e Clarisse Reichstul, da Bizarre Music, para a organização do festival em 2008. ViraA gig de Boy George, anunciada para 12 de julho, foi remarcada para o dia 14. "É enorme a procura de ingressos. Queremos mais horas de diversão e sábado é o melhor dia!", diz Leo Sanchez, sócio da Pacha.EletroCoy Freitas e a diretora Bia Guedes estréiam amanhã versão multimídia da ópera O Guarani no Tom Brasil, com Mau Mau no som e interpretação da soprano Julianne Daud. No Tom Brasil. EloIdealizador do Grupo Jovens Líderes Empresariais, André Skaf tem articulado em nome de José Junior - de quem é conselheiro - para conseguir parceiros na viabilização de projetos de reintegração social do AfroReggae. O grupo conseguiu apoio do Banco Real para instalar agências bancárias em favelas. "A idéia é aproximar as empresas da realidade da favela, utilizado serviços para melhorar as condições internas, gerar empregos e afastar a violência", diz Skaf.* E Júnior marcou para agosto o início das intervenções com workshops do AfroReggae - junto à Cufa, Nós do Morro e Observatório de Favelas - em quatro presídios do Rio. "Queremos ajudar na reintegração dos presos para que possam entrar no mercado de trabalho", diz. Banda largaLula liberou Gilberto Gil para assumir por 40 dias seu cotê cantor - parte em turnê pela Europa dia 7. Levará, carregados de parafernália tecnológica, Alberto Blanco e Christian Rôças, da produtora lajeana Gruda em Mim Que o Boi não te Lambe, responsáveis pelo conteúdo multimídia. A turnê é interativa. O público será incentivado a produzir material com seus celulares e câmeras para postar no site oficial do cantor. Blanco e Rôças criarão uma ilha para Gil no Second Life. No limiteSinal vermelho no Masp. "Uma hora vai explodir", diz um observador atento da situação. "Só não explodiu até agora porque entrou R$ 1 milhão da exposição Darwin." Com real dívida de R$ 15 milhões acumulada, o museu é considerado inadimplente e não tem conseguido saldar seus débitos básicos. A direção do museu recusa-se a discutir publicamente sua situação, o que dificulta a entrada de recursos dos governos Federal, Estadual e Municipal. Está prestes a perder o prédio vizinho na Av. Paulista, que seria doado pela Vivo, com a condição de que fosse construída ali uma torre panorâmica. A Justiça e os órgãos do patrimônio histórico vetaram o projeto e a alternativa apresentada também não vingou. Devendo ao INSS, o museu não tem como programar a agenda para 2008. Diagnóstico claro: esgotou-se a paciência das autoridades com o imperador da Paulista. OndasHá algo além da premissa "pensamentos tornam-se coisas", hypada nas páginas de O Segredo, best seller de Rhonda Byrne, para ser praticado sobre a Lei da Atração. Colaborador do projeto do livro, Amit Goswami, Ph.D. em física nuclear pela Universidade de Calcutá - e autor de A Física da Alma -, será trazido ao Brasil por Márcia de Luca para falar sobre como aplicar a física quântica para contribuir para a paz mundial. Será em agosto, na segunda edição do Yoga pela Paz. Sabe que...O menino Joaquim fez seu pai, Luciano Huck, olhar para suas origens. Com direção de seu irmão, Fernando Andrade, Huck produz um filme sobre cultura judaica para ensinar as tradições da religião às crianças Cinco milhões de dólares por show na América Latina. É o que pede o The Police - e o que o coloca entre os grupos mais altos de cachê, como U2 e Stones. Apesar de ser uma das bandas que mais influenciaram o rock do Brasil nos anos 80, investidores acham que seus 3 ou 4 hits massivos não fazem valer o investimento. A CIE chegou a esboçar a vinda deles, mas recuou e colocou a idéia em banho-maria.Talvez vingue para dezembro A caminho de Londres? Começa o Glastonbury Festival. O esquema é se hospedar em Camp Kerala, um acampamento-luxo montado por Ben Elliot, sobrinho de Camilla Parker Bowles numa colina com vista para o palco Pyramid. Ben colocou camas King Size em tendas Shikar, do Rajastão, equipadas com camisolões brancos. A estada: 6 mil libras O Rio será movimentado dia 7 por um grande casamento. A produtora Julia Otero diz ‘sim’ a Marcelo Pereira na casa setentista de sua família construída no Jardim Botânico por Índio da Costa. Miuccia Prada enviou para Júlia 5 croquis - mas perdeu a noiva para Pirilena Lacerda, que está se dividindo entre agulha e linha e papel e caneta. Piri escreve o memoire-bomba Eu Sou Perigosa No mesmo dia 7, Valentino começa a ferver Roma com 3 dias de festa em comemoração de seus 45 anos de carreira. Seria o marco de sua aposentadoria, mas, diante da situação, ele decidiu: parar de vez nem pensar. 5minutoscom Carla Bruni Dois anos de pausa foram necessários para a italiana radicada na França sentir-se segura para lançar o CD No Promisses, que, inspirado em poetas do século 19, a reafirma como starlette folk. 1. Você entrou para o top 100 europeu com Quelqu’un m’a Dit, cantado em francês. Por que a mudança para o inglês? O primeiro tinha uma leveza natural. Honestamente? Acho que foi um feliz acidente. Tenho um jeito de compor: escrevo, escrevo, escrevo. Porém surgiu um longo bloqueio criativo, medo da expectativa do segundo disco, até que me encantei por um poema de Emily Dickinson. Comecei a me questionar: "São poemas tão belos, musicais, por que não musicá-los?" Achei que não seria justo, fiel, traduzi-los. 2. E como vieram os inspirados em Dorothy Parker, William Butter Yeats e Christina Rosetti?Virando as páginas de livros e mais livros. Marianne Faithfull me ajudou. Havia lhe dito sobre o projeto. Ela tem uma imensa cultura poética e literária, uma inteligência superior. Pedi que me ajudasse e durante dois meses trabalhamos em leituras. Selecionados, chamei Louis Bertignac para trabalhar nas melodias. 3. Engraçado é que todas elas são um tanto sombrias - o que vai na contramão de seu doce e apaixonado tom. Pois é, são mulheres solitárias que viveram acompanhadas pela leitura. Mas não eram de maneira alguma amargas, tristes. Dorothy teve vários amantes. Ficou só por opção. 4. Muda o tom?Só a língua. Eu me sinto cada vez mais confortável com a sonoridade folk francesa. Isso só causa estranheza quando vou à Itália, onde nasci. Lá me sinto francesa. Na França meu lado italiano fala alto. Estou trabalhando em um disco italiano. Colaboração: Raquel Fortuna