Em 10 anos, incidência da tuberculose cai 27,5%

Alexandre Rodrigues, RIO - O Estado de S.Paulo

Apesar da queda significativa, o número continua alto; só em 2008, o Brasil registrou 70 mil casos da doença, que tem ligação com a pobreza

A incidência de casos de tuberculose no Brasil caiu 27,5% em uma década, de acordo com dados divulgados ontem pelo Ministério da Saúde. Entre 1999 e 2008, o número de diagnósticos caiu de 51,44 para 37,12 por grupo de 100 mil habitantes, mas o País ainda registra todos os anos um número alto de casos de uma doença ligada à pobreza. Foram pouco mais de 70 mil novos casos no ano passado. Após estacionar na casa de 72 mil entre 2006 e 2007, o número voltou a cair. E o ministério espera acelerar a queda, remodelando o tratamento. "A diminuição é bastante significativa, mas, como é uma doença de crescimento rápido, não é de um dia para o outro que acabamos com ela. Vamos levar anos reduzindo até eliminá-la como um problema de saúde pública. Nenhum país do mundo conseguiu erradicá-la", disse o coordenador do Programa Nacional de Controle da Tuberculose, Draurio Barreira. Ele divulgou o balanço ontem, no Rio, na abertura da 8° Reunião da Parceria Global Stop TB, promovido pelo ministério e a Organização Mundial da Saúde (OMS). MORTALIDADE Em 2007, a taxa de mortalidade foi estimada em 2,38 por 100 mil habitantes. Em 1998, era de 3,73. Para Barreira, o País conseguirá cumprir a meta de reduzir, até 2015, as taxas de incidência e de mortalidade de 1990 pela metade. Em 1990, elas eram, respectivamente, de 51,75 e 3,55 por 100 mil habitantes. Apesar da retomada da tendência de queda, a estatística ainda mantém o Brasil entre os 22 países que concentram 80% dos doentes do mundo. O ministério espera sair desse grupo reduzindo o abandono do tratamento de 8% para 5% com a introdução de um novo medicamento, que reúne em um só comprimido as quatro drogas usadas no combate à doença. O abandono do tratamento, causado pelos efeitos colaterais gástricos de um dos remédios, é considerado a principal causa da endemia. A interrupção, mesmo com sinais de melhora, torna o bacilo de Koch resistente. Outra estratégia é aperfeiçoar o atendimento aos doentes, sistematizando o direcionamento às unidades locais de saúde. O ministério quer ainda elevar a cobertura de testes de aids entre os pacientes em tratamento, que está em 40%. Entre os portadores do vírus, 20% têm tuberculose, índice alto comprado à média mundial (11%). NÚMEROS 70% dos casos estão concentrados em 315 dos 5.565 municípios brasileiros 68,93 por 100 mil é a taxa de incidência da doença no Amazonas, o Estado brasileiro que tem o pior índice 66,56 por 100 mil é a taxa de incidência no Rio, o segundo Estado com pior índice 47,69 por 100 mil é a taxa de incidência em Pernambuco, o terceiro Estado A DOENÇA O que é: Doença infectocontagiosa causada por bactéria que afeta principalmente os pulmões e é transmitida por via direta (tosse e espiro) Causa: A principal é o Bacilo de Koch, mas outras bactérias também podem causar a doença Sintomas: Tosse seca e contínua que passa a ter secreção e, depois, sangue ou pus; cansaço; febre baixa; emagrecimento Tratamento: Antibiótico por seis meses. Crianças devem ser imunizadas com vacina BCG