Droga apaga memória de ratos

AP - O Estado de S.Paulo

Cientistas da Universidade do Estado de Nova York (Suny) descobriram uma substância que pode apagar memórias em ratos. A descoberta, segundo o líder da pesquisa, o neurocientista Todd C. Sacktor, aumenta a possibilidade de desenvolvimento de um remédio que permita "controlar nossos próprios pensamentos".A substância química, chamada ZIP, bloqueia o funcionamento de uma molécula que é aparentemente usada para reter informações. Os ratos aprenderam a não andar sobre uma plataforma que dava choques elétricos. Assim que foram injetados com a ZIP, eles voltaram a caminhar sobre a plataforma perigosa. "Tanto a melhoria quanto o apagamento da memória estão chegando. É apenas uma questão de quando", prevê Sacktor."E quando chegarem, a sociedade terá de usar essas ferramentas com sabedoria. A história do mundo não permite um otimismo completo", opina. E quando a memória se for, o que será do remorso ou do arrependimento? "Há sempre um conflito básico ao ultrapassarmos obstáculos para alcançar o conhecimento", afirma Sacktor.O neurologista, integrante do Centro Médico Downstate, da Suny, havia colaborado anteriormente com um vencedor do Prêmio Nobel de Medicina, o vienense Eric Kandel, hoje professor na Universidade Columbia. Eles haviam pesquisado o efeito de estímulos neuronais no movimento e na respiração de uma espécie de caramujo marinho gigante.