Documento raro é digitalizado

Roberta Pennafort - O Estado de S.Paulo

Parceria Brasil-França amplia acesso a acervo histórico

O Ano da França no Brasil, que será aberto oficialmente em abril, terá um momento importante em setembro, quando será lançada na internet uma página para tratar das relações entre os dois países nos últimos quatro séculos, por meio de livros, mapas, gravuras e fotografias. Boa parte traz raridades só encontradas na Biblioteca Nacional (BN) e na Bibliothèque nacionale de France (BnF). A ideia é oferecer a pesquisadores e internautas não-especializados subsídios para entender de que forma Brasil e França vêm se influenciando mutuamente. "Teremos desde gravuras francesas do fim da Idade Média, que misturavam realismo e fantasia ao retratar seres da América do Sul, a fotografias do início do século 20, de fotógrafos como Marc Ferrez", conta o pesquisador da BN Irineu Eduardo Jones Corrêa."São documentos variados que mostram a complexidade dessa relação", completa. Corrêa passou três meses em Paris para conhecer o acervo de lá. Da mesma forma, duas funcionárias da BnF estiveram no Rio para saber mais sobre as obras brasileiras.As duas equipes estão escolhendo conjuntamente os documentos que serão digitalizados e incorporados ao site. Eles terão também textos de especialistas, nos dois idiomas, que explicarão o contexto em que se inserem. Da BN foram selecionadas imagens raríssimas, só disponíveis a consulta para pesquisadores com nível superior. É o caso de um mapa do explorador Andre Thevet. Nele é possível ver as Américas de uma forma bem diferente da que conhecemos hoje. Há também um relato do explorador sobre sua viagem ao Brasil por volta de 1557. Outro item interessante é o mapa de 1711 do corsário francês René Duguay-Trouin, que ilustra batalhas travadas com os portugueses na Baía de Guanabara (tão detalhado que o nome de cada caravela de sua esquadra está grafado), além de suas memórias. Há ainda uma primeira edição de Voyage pittoresque et historique au Brésil, do pintor francês Jean Baptiste Debret, de 1834. ACERVOCada biblioteca deverá inserir cerca de 300 imagens, que serão digitalizadas até o fim do ano. O projeto prevê que o site siga sendo atualizado. "Por mais extensa que seja a pesquisa, ela não será exaustiva", justifica Angela Monteiro Bethencourt, coordenadora da Biblioteca Digital.