Diversão para a garotada

- O Estado de S.Paulo

O securitário Marcelo Ferreira, de 35 anos, arregaçou as mangas pela primeira vez quando tinha 21. Ele e a mãe compraram alguns brinquedos para distribuí-los em uma favela. Foi um desastre: era tanta criança que tiveram de fazer tudo muito rápido, jogando os mimos do carro. A "operação" durou apenas dois minutos. Aos poucos, Marcelo passou a organizar a ação de Natal. Hoje, lidera o Grupo Sorriso, cujo número de pessoas envolvidas aumenta a cada Natal. Há oito anos, ele e o grupo, encabeçado também pelos securitários Rafael Brandão, de 27, e Arthur Rotundo, de 30, fazem a festa em três creches na periferia de São Paulo. Reúnem cerca de 300 colaboradores, que se dividem entre vender rifas para angariar verbas, conseguir doações e outras iniciativas filantrópicas. Em 2006, conseguiram distribuir 5 mil brinquedos e cestas básicas, e levaram alegria para a molecada carente, com direito a Papai Noel, brincadeiras, comidinhas, entre outras atrações. Este mês, comemoram a expansão do projeto, com mais um endereço, e o lançamento do site (www.gruposorriso.com.br). "É bem trabalhoso, mas é um momento indescritível", diz Marcelo. "Por isso que nossa luta é para crescer a arrecadação e oferecer isso a mais crianças." Para Arthur e Rafael, "todo mundo deveria reservar pelo menos um dia para se dedicar a uma atividade social."