Desmate mantém pobreza na Amazônia

Alexandre Gonçalves - O Estado de S.Paulo

Estudo publicado na Science mostra que municípios enriquecem após derrubada da floresta, mas prosperidade acaba e qualidade de vida piora

Os ganhos obtidos pelo desmatamento na Amazônia rapidamente desaparecem. Sobra apenas a pobreza que precedeu a exploração, mas sem os recursos da floresta que poderiam remediá-la. A conclusão é de um estudo publicado hoje na revista americana Science.   Mais informações sobre a AmazôniaUm grupo de pesquisadores analisou os indicadores de qualidade de vida de 286 municípios brasileiros na Amazônia e verificou que localidades com um processo de desmatamento em curso apresentam indicadores acima da média. Mas a prosperidade dura pouco. Municípios que devastaram suas florestas possuem índices semelhantes, do ponto de vista estatístico, ao de localidades onde as árvores ainda estão em pé.Os cientistas dividiram os municípios em sete grupos segundo a extensão do desmatamento (mais informações nesta página). Depois, calcularam a média do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) municipal em cada grupo. O IDH leva em conta variáveis como renda per capita, expectativa de vida e alfabetização.As localidades com floresta intacta ou devastada possuíam, em média, IDH próximo a 0,6 (o índice varia de zero a um). Nos municípios com metade da cobertura vegetal e grande atividade predatória em curso, o índice subia para 0,7.ANTECEDENTESUm estudo realizado pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), em 2000, intitulado Amazônia sustentável: Limitações e oportunidades para o desenvolvimento rural, apontava para o ciclo enriquecimento-declínio na exploração das terras da Amazônia.O relatório Avanço da Fronteira na Amazônia: do boom ao colapso, publicado em 2007 pelo Imazon, relaciona a evolução do IDH ao fenômeno do desmatamento e do consequente empobrecimento do solo."Agora, também separamos cada uma das variáveis que compõem o IDH", explica a pesquisadora portuguesa Ana Rodrigues, principal autora do trabalho publicado na Science. "A variação dos índices de alfabetização, expectativa de vida e renda per capita também seguiu o ciclo boom-declínio." Ana realizou a maior parte da pesquisa na Universidade de Cambridge, no Reino Unido. Hoje, atua no Centro de Ecologia Funcional e Evolutiva em Montpellier, na França.Outra característica do novo estudo é a opção pela análise acurada da situação em cada município. "Adotamos uma perspectiva semelhante à do governo federal que analisa o desmatamento cidade por cidade e divulga listas dos municípios que mais derrubam", aponta Carlos Souza Jr., pesquisador do Imazon e coautor do artigo."Deixar a floresta em pé é a alternativa mais barata para combater o aquecimento", recorda Ana, para quem o estudo chega em boa hora, no fim da convenção em Bonn, na Alemanha, para preparar a Conferência do Clima que ocorrerá no fim do ano em Copenhague, na Dinamarca. CUSTOS E BENEFÍCIOS"As populações na Amazônia arcam com os custos da preservação e o mundo recebe de graça os benefícios", afirma o brasileiro Bernardo Strassburg, que realiza seu doutorado em economia ambiental na Universidade de East Anglia, no Reino Unido. "Os países ricos precisam pagar pelos benefícios da preservação. As comunidades locais e os países devem receber por manter a floresta em pé." Strassburg realizou uma apresentação sobre o tema em Bonn.Ele acredita que, no fim do ano, deverá haver um parágrafo no documento síntese das discussões de Copenhague para prever a compensação pelos serviços ambientais prestados pela floresta. "O Brasil será um dos maiores beneficiados, mas precisa se movimentar", considera o economista.