Desintegrados 13 mil km2 de gelo

AP, Washington - O Estado de S.Paulo

Parte da Plataforma Wilkins, na Antártida, entrou em colapso

Uma parte da plataforma de gelo Wilkins, localizada na Península Antártida, entrou em colapso ontem, num processo de desintegração que especialistas afirmam ser provocado pelo aquecimento global. A região mais atingida tem 13.680 quilômetros quadrados, mas toda a área afetada chega a 414 mil km2. Ela existia há centenas, talvez milhares, de anos.A plataforma, um grande lençol gelado que flutua no oceano, localiza-se na Antártida Ocidental. Essa é a região do planeta onde foi registrado o maior incremento de temperatura nos últimos 50 anos - cerca de 0,5°C por década.A desintegração se intensificou a partir de 28 de fevereiro, quando um iceberg de 41 km por 2,5 km se desprendeu. Ontem, o restante da área se desmanchou em horas, formando uma série de icebergs menores. Todo o evento foi acompanhado de perto por cientistas, por meio de câmeras instaladas em satélites e em aviões."Esse é um evento que não vemos com freqüência", diz Ted Scambos, do Centro Nacional de Dados de Neve e Gelo dos Estados Unidos. "As rachaduras se encheram de água e quebraram." O mesmo processo atingiu outra plataforma, a Larsen B, em 2002, que tinha 3.250 km2: o gelo derretido se acumulou sobre ela, formando rios caudalosos que penetravam o bloco, até o completo colapso.O processo foi previsto pelo cientista David Vaughan, do Serviço Antártico Britânico (BAS), em 1993. Segundo ele, a parte norte da plataforma poderia ser perdida em 30 anos a partir de então, se as temperaturas continuassem a subir no mesmo ritmo. Ontem, Vaughan disse não esperar que houvesse um derretimento tão rápido, 15 anos antes do que ele esperava.SEM RETORNOSegundo Sarah Das, do Instituto Oceanográfico Woods Hole, o colapso da Wilkins, assim como de outras plataformas, indica que a Terra pode estar chegando a um ponto sem volta, em que o sistema climático será modificado. "Essas coisas não vão se reconstruir."A desintegração da Wilkins não fará com que o nível dos oceanos suba, uma vez que já estava boiando na água. Além disso, a área atingida representa apenas uma parcela pequena de toda plataforma, mas é uma parte importante que pode levar o restante a ser atingido.Uma vez que o verão no Hemisfério Sul acabou, os especialistas acreditam que nenhum novo movimento deva acontecer ali em 2008, porém esperam mais derretimento no próximo ano.