Delegação brasileira em Bali é a maior, com 188 pessoas

Cristina Amorim e Liège Albuquerque - O Estado de S.Paulo

Elas têm acesso a reuniões fechadas; Itamaraty diz que só custeou viagem de negociadores oficiais

O Brasil levou para Bali, na Indonésia, a maior delegação entre todos os países que participam da 13ª Conferência do Clima (COP-13). São 188 pessoas, entre o time de negociadores de três ministérios - a "delegação" de fato - e apêndices governamentais, do setor empresarial, da academia e de organizações não-governamentais.A conferência reúne os integrantes da Convenção do Clima das Nações Unidas, que começam a construir um novo regime político de combate ao aquecimento global.Só a União Européia pode ultrapassar o País nessa conta, e isso se forem somados os delegados do bloco (125) aos de cada uma das nações que o compõem. A Indonésia, país-sede da conferência, participa com 91 pessoas. Os EUA enviaram 53 e a China, 44.Os governadores de Mato Grosso, Blairo Maggi (PR), e do Amazonas, Eduardo Braga (PMDB), inscreveram suas mulheres, Terezinha de Souza Maggi e Sandra Braga, como integrantes da delegação que representa o Brasil na COP-13. Braga também inscreveu a filha, Brenda. Amazonas e Mato Grosso são os dois Estados com maior participação na delegação, oito cada um.Todos os integrantes da delegação têm livre acesso a todas as reuniões de negociação, até mesmo as de acesso restrito. A Petrobrás, por exemplo, inscreveu oito pessoas. O grupo Arcelor, seis. A Companhia Vale do Rio Doce, dois. A Associação de Produtores de Soja do Mato Grosso (Aprosoja) comparece com três pessoas.O embaixador de Mudanças do Clima, Sergio Serra, afirmou que o credenciamento pelo Ministério de Relações Exteriores não implica pagamento da viagem para todos. "Não há ônus. Nosso objetivo é dar transparência ao processo, tanto como forma de participação democrática quanto para fiscalizarem se estamos sendo coerentes com o que foi debatido antes da COP.""Valorizo muito essa abertura do governo", disse Mauro Armelin, da ONG WWF Brasil, que está em Bali como membro da delegação. Para ele, a grande vantagem é ter portas abertas a todas as negociações, o que lhe permite saber a posição exata de cada país.Mas afirma haver também desvantagens. "Com esse crachá, não posso me comportar como WWF e tenho o compromisso de manter sigilo sobre os grandes temas em discussão."CONTASO governador do Amazonas, Eduardo Braga, viaja em comitiva desde 17 de novembro por países asiáticos em busca de novos investidores. A viagem de 24 dias foi ao Japão, China, Malásia, Cingapura e Indonésia. No dia 6 de dezembro, aniversário do governador, a primeira-dama e a filha mais velha foram a Bali passar a data com Braga, mas segundo a assessoria essa viagem foi paga pela família e não pelo governo. O programa da viagem e os custos, R$ 341 mil, foram aprovados pela Assembléia Legislativa.