De olho no inverno

Agencia Estado - O Estado de S.Paulo

Mais uma edição do maior evento de moda da América Latina chega ao fim com gostinho de missão cumprida. Para a temporada de inverno, a São Paulo Fashion Week - realizada entre os dias 24 e 29 de janeiro no prédio da Bienal São Paulo, no Parque do Ibirapuera - abriu espaço para 38 desfiles, alguns de grifes veteranas e outras que ainda estão engatinhando atrás do reconhecimento nacional, que mostraram coleções para esquentar o corpo na próxima estação.As peças pesadas ficaram de fora na maioria das apresentações. Se depender dos estilistas que participaram do evento, as mulheres terão de andar com as pernas de fora durante o inverno (veja alguns looks aqui). Tudo é micro: os vestidos, as saias, os shorts. Mas é preciso ter cuidado para não cair na armadilha das peças curtas. ?É importante estar com as pernocas saradas para não fazer feio na próxima estação?, alerta a consultora de moda Costanza Pascolato. Mesmo assim, há uma solução que pode ajudar (e muito!) as meninas que não estão com as pernocas em dia: as leggins. Mas como nem sempre a moda colabora, existem restrições para usar esse tipo de peça. Para quem tem canela ou perna grossa, por exemplo, o look curinga não combina. Em situações formais como casamento ou jantares, também não pega nada bem. Então, quando usá-las? De acordo com a consultora de moda Gloria Kalil, a combinação perfeita é debaixo de túnicas e minissaias. ?Elas também ficam maravilhosas com aquelas malhonas de inverno e as parkas. Nos pés, devem ser usadas com sandálias rasteiras, sapatilhas sem salto ou botinhas curtas?, ensina.Aliás, as botinhas curtas fizeram sucesso na 22ª edição da SPFW. Chamadas de ?ankle boots?, são sapatos bem curtos, praticamente na altura do tornozelo, que já apareceram (há alguns anos) em alguns dos principais editoriais de moda do mundo, mas não vingavam no Brasil (onde já estiveram nos anos 80). O sucesso do acessório no exterior pode ter ligação com a cena final do seriado ?Sex and the City? - que foi ao ar nos Estados Unidos no segundo semestre de 2003 -, em que as quatro protagonistas calçavam a tal da botinha de cano curto. Demorou, mas chegou ao Brasil. Só que são um perigo para as baixinhas! Gloria acredita no sucesso das botinhas de cano baixo. ?Elas estão com tudo e vão pegar na próxima estação?, aposta. Para Costanza, elas são para as mulheres altas. ?Só garotas com quase dois metros de altura podem usar esse sapato. Não combina! Fora isso, não gosto de meias coloridas. Elas devem ser pretas, sempre. As mais grossas protegem do frio e estão na moda, pois apareceram em vários desfiles nacionais e internacionais.?Ainda na região dos pés, as polainas também pintaram nas passarelas. Só de imaginar, tem gente que fica toda arrepiada de ter de reviver os tempos da novela ?Dancing Days?, exibida nos final dos anos 70 pela Rede Globo. Para compor o visual, as peças apareceram ao lado de acessórios gigantescos, chamados de maxibolsas e maximochilas. Nos bastidores do mundo fashion, muitos já queimavam tendência e desfilavam com suas mochilonas. Só não vale se empolgar e encher o acessório de tralha. Um perigo para a coluna.Algumas das grifes que desfilaram seus modelitos para o inverno investiram nos looks dos anos 60 e 80 e deixaram para trás as peças com a cara dos anos 40 e 50. Elas trouxeram roupas mais soltinhas na parte de cima e justas na região abaixo da cintura. A promessa de criações futuristas deixou a desejar e quase não surgiram nas passarelas. As batas (que insistiam em aparecer nas coleções anteriores) sumiram e deram espaço para os camisões, que retornam mais acinturados e, quase sempre, com algum acessório que marque a cintura, seja um cinto ou uma faixa.Como esse tipo de modelagem não marca o quadril, as brasileiras poderão se esbaldar em looks com o caimento evasê ou até mesmo o trapézio, que deixam as pernas mais finas. Ao contrário das pantalonas, que também apareceram em alguns desfiles, mas não podem ser usadas em mulheres mais cheinhas, pois marcam muito e deixam todos aqueles ?defeitinhos indesejáveis? à mostra.A aposta em peças acinturadas fez com que as calças - justíssimas - aparecessem mais altas. É uma criação perigosa, pois a mulher brasileira está acostumada com calças de cós baixo. ?Os estilistas insistem em colocar na passarela esse tipo de calça, mas a mulher brasileira é sensual e não combina com esse estilo?, acredita Gloria, que, além disso, alerta para o sucesso das calças de vinil, verniz e couro, que podem virar hit na próxima temporada. ?Os anos 80 estão de volta.?Os tricôs volumosos e as golas enormes (que apareceram em tecidos de malha) protegem a parte de cima do corpo, assim com as parkas acolchoadas, que só de ver, já dá uma esquentadinha.Acostumados com peças coloridas no verão, as brasileiras terão de se contentar com o preto e o cinza nos meses mais friorentos. Além dos dois tons, o roxo, o verde e o vermelho também apareceram em alguns looks, tudo muito forte, mas sóbrio, sem grandes misturas de cores e aplicações. Os metalizados e os brilhos de paetês dourados surgem sutilmente nos looks. Ou seja, exagero é uma palavra que não combina com o próximo inverno. Os rapazes na SPFWNa 22ª edição da SPFW, os homens quase não tiveram vez. Talvez pela ausência do estilista Ricardo Almeida, que sempre causou frisson logo na abertura do evento, os desfiles masculinos não ganharam tanta repercussão. Mesmo assim, do pouco que foi mostrado, é possível notar que a moda despojada está com força total entre os garotos e o xadrez os acompanhará em grande parte dos looks. Na cola das coleções femininas, as bermudas também apareceram nos desfiles masculinos, mas não eram tão curtinhas. Todas na altura do joelho, criando a combinação: bermuda, camisa xadrez, boné e tênis.