Cursos de Odontologia terão selo de qualidade

Karina Toledo - O Estado de S.Paulo

Representantes das principais faculdades de Odontologia do continente fundaram ontem o Instituto Latino-Americano de Acreditação. O órgão terá a missão de avaliar os cursos da área e estabelecer um padrão de excelência a ser seguido pelas instituições. A avaliação será opcional e as faculdades que atenderem aos requisitos ganharão um selo de qualidade. "A ideia é que, no futuro, um profissional formado no Brasil possa trabalhar em qualquer país do continente e vice-versa", explica o vice-diretor da Faculdade de Odontologia da Universidade do Chile, Francisco Omar Campos. O projeto de equivalência curricular, inspirado no modelo da União Europeia, começou a ser discutido em 2005 por um grupo de especialistas de diversos países. "O objetivo não é chegar a uma situação única, mas estimular que todos sigam por um caminho", explica Mariano Alonso, coordenador técnico do projeto latino-americano. "Não se trata de controlar, mas criar critérios de avaliação unificados que levem a uma melhoria do ensino da Odontologia no continente." O grupo receberá sugestões de profissionais da área até março e o projeto deverá entrar em vigor no início de 2010. Segundo o professor da USP João Humberto Antoniazzi, que integra o grupo idealizador, os cursos de graduação serão o alvo do instituto em seu primeiro ano, mas a meta é estender a avaliação também para a pós-graduação. Para a secretária de Educação Superior do Ministério da Educação, Maria Paula Dallari, todas as iniciativas para elevar a qualidade do ensino têm de ser festejadas. "Mas o processo de revalidação de diplomas estrangeiros é mais complicado, pois depende de acordos a serem estabelecidos com cada um dos países."