Credibilidade na blogosfera

Marili Ribeiro e Renato Cruz - O Estado de S.Paulo

Debate do estadao.com.br reuniu jornalistas, blogueiros e publicitários para discutir responsabilidade na internet

Há muito lixo circulando na internet. Mas separar o joio do trigo é tema recorrente em todas as mídias. Aflige não apenas blogueiros e jornalistas, mas também publicitários, independentemente do suporte usado por esses profissionais para se expressar.   Assista o debate Se é possível fazer uma síntese do debate ''''Responsabilidade e Conteúdo Digital'''', promovido na quarta-feira pelo portal estadao.com.br, esse resumo giraria em torno dessa complexa questão. Os nove convidados a participar da mesa de discussão - motivada por uma campanha publicitária do Grupo Estado que teve uma das peças criticada por blogueiros - concordaram que o fenomenal crescimento dos blogs, e sua infinita capacidade de multiplicar informações, vive um momento de reflexão. A credibilidade de quem faz conteúdo, seja em que suporte for, é reconhecida como condição essencial para o exercício do uso da palavra em canais públicos de comunicação. ''''A gente luta para pôr no ar informação de credibilidade e vem uma campanha desqualificando o nosso trabalho'''', disse o publicitário Carlos Merigo, autor do blog Brainstorm#9, resumindo a insatisfação dos blogueiros. Para o diretor do Núcleo Digital do Grupo Meio & Mensagem, Marcelo Salles Gomes, dois aspectos são essenciais no universo de transição vivido pela sociedade com o advento da era digital. Além da inevitável força da credibilidade, há também a necessidade de os profissionais da área aprenderem a lidar com a nova forma de as pessoas receberem informações. ''''Foi-se o tempo em que se controlava a forma como as pessoas recebiam informação. A blogosfera é a representação dessa mudança'''', enfatizou ele. Uma consideração tão relevante que, como lembrou o jornalista do Estado, Pedro Doria, a blogosfera fora do Brasil já evolui no seu papel de difusor de informações relevantes e já chegou a derrubar figuras públicas. Doria lembrou ainda que a blogosfera foi usada por Nicolas Sarkozy, atual presidente da França, para acalmar a fúria dos jovens que incendiaram a França em 2005, quando ainda era ministro do Interior. No Brasil, a blogosfera ainda não atingiu esse nível de importância e tentar entender o por quê é uma boa questão, na opinião do jornalista. O presidente do Interactive Advertising Bureau Brasil, Osvaldo Barbosa de Oliveira, acredita que a evolução será lenta. Há menos de 40 milhões de habitantes no País com condições de acessar a internet. ''''Mesmo assim aumenta o uso de redes sociais como forma de expressão e isso acabará por dar maior importância a esses canais de comunicação.'''' Mais crítico do que os outros debatedores, o professor da Universidade de São Paulo (USP) Gilson Schwartz considerou que a facilidade de veiculação trazida pela tecnologia aumenta a quantidade de informação, mas também baixa a qualidade e a relevância do que é divulgado na rede: ''''Existe um risco de a internet virar uma lixolândia.'''' Edney Souza, analista de sistemas que, graças ao sucesso de seu blog InterNey.Net, se sustenta da receita que consegue com ele, concorda que há muito lixo na internet. Avalia,entretanto, que a falta de credibilidade é responsabilidade de quem não tem compromisso com o que escreve. '''' Vai sobreviver na blogosfera quem tem algo a dizer'''', afirmou. Com essa avaliação concorda Bruna Calheiros, do blog Sedentário e Hiperativo. Um blog que divide com outros quatro internautas que, como ela, têm prazer em escrever, e que Bruna sequer conhece pessoalmente. Juntos eles contam vivências no blog conjunto e se falam apenas virtualmente. Para ela, ''''cabe ao leitor selecionar o que quer ler''''. O moderador do debate, Paulo Lima, diretor da Trip Editora, deu o tom à discussão. Ele acha impróprio no mundo de hoje dividir os profissionais de comunicação por segmento: ''''Estamos aqui porque estamos a fim de discutir o nosso tempo.'''' ORIGEM DA POLÊMICA Uma das peças da campanha publicitária criada pela agência Talent, para anunciar a nova configuração do portal do Grupo Estado, acabou gerando mal estar entre os blogueiros. Nas fotos acima estão dois momentos dos comerciais. O frame do filme à esquerda mostra um macaco que recorta notícias na internet e depois cola as informações. A peça, chamada ''''Blog do Bruno'''', desagradou. O outro filme, chamado Ruivo continua em cartaz . O objetivo, como contou o diretor da agência, João Livi, era reforçar a importância da credibilidade na origem da notícia. ''''Não tivemos intenção de ofender ninguém'''', disse ele durante o debate. Livi reconheceu que poderá corrigir alguns aspectos da campanha. ''''Porém a essência é essa mesma, é falar sobre credibilidade'''', enfatizou. E, para demonstrar que a agência não tem nada contra blogs, Livi anunciou que, em duas semanas, entrará no ar o próprio blog da Talent.