Como eles gostam

Mariana Abreu Sodré e Nathalia Birkholz - O Estado de S.Paulo

Fábio Assunção, Raí, Eriberto Leão e Edgar Scandurra opinam sobre o que eles gostam de ver no corpo das mulheres

Quem nunca ouviu dizer que mulher se veste para agradar a outras mulheres? Por mais tola que esta frase possa parecer, para muitas, a carapuça serve. Mas isso não quer dizer que elas devam escolher suas roupas guiadas exclusivamente pela opinião masculina. As espertas se vestem para elas mesmas e não se importam com o que os outros acham. E por estarem se sentindo bem, acabam agradando, por tabela, a quem lhes interessa. Pelo menos este é o ponto de vista do ator Fábio Assunção. "Uma mulher que se veste de acordo com sua personalidade e vontade transmite segurança, fica bacana. As que se vestem seguindo a moda e ignoram seu estilo pessoal ficam desconfortáveis e isso, claro, não é legal", opina o galã. Depois de ouvir um comentário desses até parece que Assunção domina ou se interessa pelo assunto moda feminina. Que nada! Assim como o ator Eriberto Leão, o guitarrista Edgar Scandurra e tantos outros, Assunção desconhece as nomenclaturas fashion. Quando lhe foi pedido para descrever o look ideal, ele ficou numa saia justa e se atrapalhou todo. No final, ficou subentendido que, além de admirar quem se veste com personalidade, Assunção gosta de ver as mulheres em vestidos do tipo "soltinho". Já o músico Scandurra - que chama calça capri de "pula brejo" e sapatilha de "aqueles sapatinhos sem salto" - prefere as roupas básicas, tanto de dia quanto à noite. Portanto, o look ideal para Scandurra é "jeans, camiseta e pronto." O ator Eriberto Leão gosta das que revelam sua personalidade pelo que vestem. "Uma advogada de tailleur, por exemplo, que mostre a profissão que exerce por meio da roupa", explicou o ator, sugerindo um vestido para a noite. "Mas sempre com salto alto", frisou. "O cabelo? Não importa. Pode estar preso ou solto", finalizou. Raí, ex-jogador de futebol e atual empresário, respondeu por email o seguinte: "Para o dia-a-dia: esporte (jeans), com um toque diferente (hippie chic). Um vestidinho leve e moderno com sandália também é interessante. Para a noite: segue o mesmo estilo do dia, só que adaptado." Apesar do "adaptado", Raí usou o termo "hippie chic" e, por isso, se mostrou o mais entendido dos entrevistados - embora não se saiba se ele teve ajuda de uma de suas filhas para usar os termos corretos da moda. No entanto, a verdade é que poucos sabem "verbalizar" um look. Vestidos tarpézio, calça skinny, formas com volume, ankle boots e tantos outros códigos só fazem mesmo sentido para as mulheres. Não significam nada para eles. Homens dizem vestidinho, calça justa, não gostam de roupas com volume e chamam qualquer tipo de bota de bota mesmo. E mais: levando em consideração as respostas dos quatro entrevistados, de maneira geral, as básicas e simples saem sempre ganhando. Tanto que Raí justificou suas escolhas da seguinte forma: "para que ela se sinta confortável e passe leveza. E para que não corra o risco de cair na ostentação." Ou seja: nada de exagero. O importante não é a roupa, mas quem está nela. PRODUÇÃO Agradecimentos: Blue Models (tel.: 3035-1331) e Cassolari?s (cabelo e maquiagem, tel.: 3845-3877) Colaborou: Adriana Sampaio