Coach de pais ensina a criar filhos mais resilientes

Danielle Sanches, especial para o E+ - O Estado de S.Paulo

Consultora da Disney para o filme 'Divertida Mente', a britânica Lorraine Thomas vem ao Brasil para palestrar em evento sobre maternidade

A britânica Lorraine Thomas é coach de pais e foi consultora dos Estúdios Disney para o filme 'Divertida Mente' (2015).

A britânica Lorraine Thomas é coach de pais e foi consultora dos Estúdios Disney para o filme 'Divertida Mente' (2015). Foto: Lorraine Thomas / Arquivo Pessoal

Em um mundo com tantos desafios, como criar filhos mais resilientes? Essa é a pergunta que a consultora Lorraine Thomas promete responder em sua passagem pelo Brasil durante esta semana. A britânica, que é coach de pais, fundadora e presidente da Parent Coach Academy, irá palestrar no 4º Seminário Internacional de Mães, que acontece no próximo sábado, 5, na capital paulista, e lançará a versão em português do livro A Mamãe Coach - 10 Habilidades Essenciais para Você Ser uma Ótima Mãe.

Mãe de dois filhos, Lorraine tinha uma carreira promissora como apresentadora de TV no Reino Unido quando decidiu abdicar do trabalho para se dedicar à família. Com um diploma em Educação pela Universidade de Cambridge, ela enxergou no coach de pais uma boa oportunidade de ajudar outras pessoas que, assim como ela, se dividiam entre casa e trabalho. Foi assim que nasceu a Parent Coaching Academy, em 2002, com diversos cursos para ajudar os pais a realizar "o trabalho mais importante do mundo", em suas palavras.

Falando principalmente sobre temas sensíveis à parentalidade, como empatia, resiliência e gerenciamento do estresse no dia a dia, o trabalho de Lorraine cresceu e ganhou tamanha relevância que ela foi convidada pela Disney para ser consultora do filme Divertida Mente (2015), um grande sucesso do estúdio (em parceria com a Pixar Animations) que fala sobre a importância de todas as emoções - incluindo raiva e tristeza - para a nossa saúde mental. "Não acredito em emoções ruins", diz a especialista. "Todas elas são naturais e têm um papel fundamental no nosso bem-estar". Confira a seguir a entrevista exclusiva que ela concedeu ao E+:

A vida moderna tem deixado as pessoas cada vez mais cansadas. Não é diferente com os pais que, além de trabalharem fora nas horas comerciais, ainda precisam cuidar dos filhos ao voltar para casa. Como balancear a atenção entre esses dois mundos?

Esse é um grande desafio para pais no mundo todo. Muitos pais, inclusive, ainda se dividem nos cuidados com os próprios pais, além dos filhos. Para mim, a chave é gerenciar nossos níveis de energia, eliminando atividades que a sugam, e lidar com as emoções de forma saudável. Isso não apenas nos dá mais vontade de realizar mais coisas como também passa um modelo positivo para as crianças. 

Você acredita que as empresas estão encarando a parentalidade de forma diferente?

Sim. A forma que os filhos são encarados hoje no ambiente profissional é bem diferente do que era há 16 anos. Hoje, as companhias reconhecem que é importante apoiar os pais e sabem que isso impacta diretamente na produção e, bom, nos lucros. Vejo que há mais espaço para que os pais tenham o melhor dos dois mundos - trabalho e família - sem competição entre um e outro.

Famílias latinas, como a brasileira, têm laços muito fortes e permanecem próximas por longos períodos. Na sua opinião, como isso influencia a criação dos filhos?

Há um provérbio africano que diz: "É preciso uma vila inteira para criar uma criança". Vemos isso claramente na comunidade brasileira. Considero como uma grande oportunidade de aprendizado para a criança, que tem a chance de experimentar a convivência com diversos exemplos de personalidade. No Reino Unido, isso não é tão forte e é comum os pais não terem apoio de parentes para cuidar dos filhos.  

Costumamos dizer que, quando nasce uma mãe, nasce uma culpa. Por que mães sempre se sentem culpadas?

Porque elas frequentemente colocam metas muito altas para si mesmas, e aí é fácil sentir que estão sempre falhando - quando, na realidade, as mães realizam muitas coisas todos os dias. Todos nós temos um crítico interno que pode ser bem negativo. O que eu ensino às mães é silenciar essa voz e ser racional, reconhecendo que há muito mais para se sentir feliz e orgulhosa do que culpada.

Passar tempo de qualidade com as crianças é melhor do que passar muitas horas com eles?

Absolutamente, sim. Sugiro fazer uma lista sobre todas as atividades divertidas que você poderia ou gostaria de fazer com o seu filho durante a noite ou aos fins de semana e faça acontecer. Essas são oportunidades poderosas para passar tempo de qualidade com a criança e nos conectarmos com ela, que se sentirá querida e segura. São nesses momentos também que os filhos, principalmente os mais velhos, se sentem mais à vontade para conversar sobre todo tipo de assunto. Isso é especialmente importante, pois, se estão conversando sobre suas emoções aos cinco ou seis anos de idade, estarão muito mais inclinados a fazer isso durante a adolescência, quando é muito mais difícil falar com eles.

 

Sucesso de bilheteria dos Estúdios Disney e da Pixar Animations, 'Divertida Mente' (2015) aborda a questão das emoções humanas e como lidamos com elas nas nossas vidas. 

Sucesso de bilheteria dos Estúdios Disney e da Pixar Animations, 'Divertida Mente' (2015) aborda a questão das emoções humanas e como lidamos com elas nas nossas vidas.  Foto: Disney / Pixar

Na sua opinião, por que muitos pais procuram ajuda e treinamento para criar seus filhos? A parentalidade não deveria ser uma coisa natural?

Criar um filho é a coisa mais importante e desafiadora das nossas vidas. E não vem com manual de instruções. Acredito que os pais tenham um instinto natural sobre seus filhos, mas também devemos dar todo o apoio que pudermos a eles. Nas gerações passadas, ninguém conversava sobre os desafios do dia a dia. É uma mensagem importante para as crianças: pedir ajuda é uma forma de mostrar força. Famílias que pedem ajuda - e oferecem aos outros - são mais resilientes.

A sua palestra no 4º Seminário Internacional de Mães será justamente sobre resiliência. Como essa característica pode ajudar as pessoas a serem melhores pais?

Um pai (ou uma mãe) resiliente é alguém com uma atitude positiva, motivado(a) e com uma postura de quem faz acontecer. Se você é um pai ou mãe que consegue lidar com suas emoções e todos os desafios da vida, tornando-se mais forte com eles... É bem possível que seus filhos aprendam a fazer isso também.

A birra é um comportamento muito frustrante para os pais. Como eles podem lidar com isso de forma positiva?

A birra é algo normal e natural do crescimento. Adultos também fazem isso! É importante se colocar no lugar da criança, enxergar para além do comportamento ruim e ver a causa daquela cena toda. Não é pessoal! Ela está tentando dizer o que sente mas não tem as palavras para se expressar. E lembre-se: se você é um adulto que bate o pé e grita para conseguir o que quer, é o que seus filhos farão também.

Você foi consultora dos Estúdios Disney para o filme Divertida Mente, que foi um sucesso principalmente pela forma como aborda a questão das emoções humanas. Por que você acha que o filme foi tão bem recebido?

O filme é brilhante na medida em que dá aos pais, crianças e professores uma oportunidade de falar sobre seus sentimentos e reconhecer que todas as emoções são importantes para a nossa saúde mental. Falar sobre um filme ou livro é um jeito leve de entender nossas emoções, principalmente as mais desafiadoras ou doloridas, sem nos sentirmos expostos. E a Disney faz isso muito bem!

Em seu livro, A Mamãe Coach - 10 Habilidades Essenciais para Você Ser uma Ótima Mãe, você percorre dez habilidades que precisam ser trabalhadas para ser "a mãe que você sonha em ser". Existe um modelo de mãe perfeita que é possível de ser atingido?

Não. Isso não existe. Pergunte aos meus filhos e eles dirão que não sou perfeita. O mais importante é ser o melhor que você pode ser. Não é possível dar 100% o tempo todo, mas em alguns momentos, sim - e são esses momentos os mais importantes. Foque na conexão e não na perfeição.

Na sua opinião, qual é a maior dificuldade dos pais modernos?

Viver o agora e aproveitar os filhos. São os momentos mais importantes que temos. É quando estamos ensinando os valores que apreciamos às crianças, a fundação das gerações que virão. Estamos criando memórias que vão durar para sempre. Estamos criando super-heróis que vão poder fazer a diferença no nosso mundo. Não há responsabilidade maior do que essa.