CNBB enfrenta debate sobre aborto

José Maria Mayrink - O Estado de S.Paulo

Defesa de descriminação feita pela Pastoral da Mulher Marginalizada destoa da Campanha da Fraternidade

A questão do aborto está levantando vozes contrárias à posição oficial da Igreja Católica na discussão sobre a defesa da vida, tema da Campanha da Fraternidade 2008, promovida pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O texto-base, cujo lema é "Escolhe, pois, a Vida", tirado de um versículo da Bíblia, condena os métodos não naturais de contracepção e a interrupção provocada da gravidez, mesmo nos casos permitidos pela lei.Bernadete Aparecida Ferreira, coordenadora da Pastoral da Mulher Marginalizada (PMM), que trabalha com prostitutas, escreveu e distribuiu um depoimento em defesa da descriminação do aborto. Apesar da ressalva de que se trata de uma opinião pessoal, criou constrangimento entre os bispos da Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz, à qual está subordinada. Outro depoimento dissonante, uma entrevista de uma representante do movimento Católicas pelo Direito de Decidir, Dulce Xavier, foi cortado de um DVD feito pela Verbo Filmes, dos padres verbitas, por ordem do secretário-geral da CNBB. "É provável que haja mais manifestações desse tipo, de pessoas ligadas a nós, como já ocorreu numa palestra do Núcleo Fé e Cultura, da PUC de São Paulo", prevê d. Pedro Luiz Stringhini, presidente da comissão. D. Demétrio Valentini, bispo responsável pela PMM, considera proveitosa a reflexão, contanto que a Igreja mantenha a coerência. "Posições radicais e fechadas em torno de temas como o aborto correm o risco de comprometer a Campanha da Fraternidade, a ser lançada na próxima quarta-feira", afirma. Bernadete, que há 17 anos trabalha com prostitutas, argumenta que "mulheres que se prostituem de vez em quando precisam fazer aborto, a despeito dos inúmeros métodos contraceptivos que poderiam escolher" e que "a criminalização do aborto não diminui a sua prática". Ela diz agir como humanista e cristã, em defesa de mulheres que fazem aborto "em situações difíceis e clandestinas".Pesquisas da pastoral mostram que não é fácil para as prostitutas recorrerem ao aborto. "A maior motivação para escrever esse documento é o fato de ter convivido com grande quantidade de mulheres que, na prostituição, precisaram fazer aborto, um, dois, três e até mais de 20 abortos cada uma", diz Bernadete. Em Tocantins, onde faz um levantamento sobre a prostituição em rodovias e barragens, a coordenadora da PMM constatou que 50% das prostitutas ouvidas em Palmas já abortaram. "Não aconselho aborto nem uso de camisinha, sou pelo planejamento familiar o mais natural possível, concordo com a Igreja em tudo, mas defendo a vida da mulher", diz a coordenadora.AFASTAMENTOEssa defesa da descriminação do aborto vai custar o cargo de Bernadete na pastoral. "O mandato da atual coordenação termina em março e a nova coordenadora terá de ser afinada com a CNBB", adianta d. Pedro Luiz.Ele prevê o afastamento de Bernadete pelo Conselho Episcopal Pastoral (Consep). "A Igreja, que acolhe e apóia quem praticou o aborto, é contra a descriminação, embora saiba que considerar o aborto um crime, por si só, não resolva o problema", diz o bispo. "A opinião de Bernadete é pessoal, mas reflete a maneira pela qual, em sua avaliação, a PMM deveria agir", acrescenta. Bernadete diz que a Pastoral da Mulher Marginalizada não foi consultada sobre a Campanha da Fraternidade e prevê que a equipe será cobrada sobre sua posição. "Nós, na PMM, decidimos lutar por melhores condições de vida para as mulheres em situação de prostituição, contra a exploração sexual de crianças e adolescentes e contra o tráfico de seres humanos", escreveu a coordenadora em seu depoimento, acrescentando que também lutam por políticas públicas e ações estruturais que venham a beneficiar a vida das mulheres e de seus filhos."Fazer aborto para mulheres em situação de prostituição nem sempre significa que não amem seus filhos, que não gostariam de tê-los ou mesmo que gostariam de abortar a torto e a direito", afirma Bernadete. Para as prostitutas, ela observa, "o sexo significa, na grande maioria das vezes, a possibilidade do pão". Antes de tomarem a decisão, "muitas lágrimas rolam e se passam muitas noites sem dormir".D. Demétrio, que é contra o aborto e contra a descriminação, diz que "é válido o depoimento de Bernadete, pois é um grito que vem não do teórico mas de quem conhece e vive com as mulheres marginalizadas". Como ela, o bispo afirma que há outros culpados e seria injusto apontar apenas a mulher. "O homem comete aborto toda vez que se desinteressa pela vida do filho que pôs na barriga da mulher."Dulce Xavier, da organização Católicas pelo Direito de Decidir, surpreendeu-se com a censura à entrevista que ela gravou para o documentário sobre a Campanha da Fraternidade. "Fomos procuradas e aceitamos dar um depoimento sobre o nossa concepção do que é defender a vida", disse a militante. O grupo Católicas pelo Direito de Decidir defende a liberdade de decisão sobre sexualidade e métodos anticoncepcionais. "Não defendemos o aborto, mas, como somos pela descriminação, tiraram nosso depoimento do vídeo."