Cinema nacional perde Rudá de Andrade

Ubiratan Brasil - O Estado de S.Paulo

O escritor e cineasta Rudá de Andrade, filho de Oswald de Andrade e Patrícia Galvão, a Pagu, morreu ontem, aos 78 anos, em Bragança Paulista. Ele estava hospitalizado, recuperando-se de uma cirurgia no fêmur, quando sofreu uma parada cardíaca, no início da tarde. Nascido em São Paulo, em 25 de setembro de 1930, Rudá Rehder de Andrade era formado em cinema na Itália, onde trabalhou com Vittorio de Sica.Foi um homem atuante em favor do cinema nacional. Nos anos 1950, foi conservador da Cinemateca Brasileira, da qual era ainda conselheiro, e, na década de 1960, participou da fundação do curso de cinema da Universidade de São Paulo, onde lecionaria durante dez anos. Foi também um dos criadores do Museu da Imagem e do Som, que dirigiu entre 1970 e 1981.Em 1983, recebeu o Prêmio Jabuti, na categoria Biografia e Memórias, por Cela 3 - A Grade Agride (Globo), livro de viagem que descrevia as prisões europeias. Dirigiu também filmes, como o documentário Pagu, sobre a trajetória de sua mãe.