Casos suspeitos sobem para 25 no País e 36 são monitorados

Fabiana Cimieri e Lígia Formenti - O Estado de S.Paulo

O Ministério da Saúde confirmou ontem que o número de pacientes suspeitos de contaminação pelo vírus influenza A (H1N1) subiu de 15 para 25 no País. São 10 casos no Estado de São Paulo, 4 em Minas, 3 no Rio, 2 no Distrito Federal e no Tocantins e 1 em Goiás, Mato Grosso do Sul, Paraná e Santa Catarina. Outros 36 pacientes seguem em monitoramento em 19 Estados; 60 foram descartados. Desde sexta-feira, a classificação dos casos suspeitos também foi modificada. Além da presença dos sintomas, como febre alta repentina (acima de 38°C), tosse, dor de cabeça e dores musculares, e de ter estado em locais com confirmação da propagação do vírus, as pessoas que apresentam os sinais da gripe e tiveram contato próximo com infectados também são consideradas suspeitas.O ministério considera contato próximo aquele com pessoas que cuidam, convivem ou tiveram contato direto com secreções respiratórias ou fluidos corporais de um suspeito. O monitoramento também foi ampliado. Antes, eram considerados casos em monitoramento o de viajantes que vinham de áreas sem ocorrência da doença, dentro de países afetados, e que tinham algum dos sintomas. Desde 1º de maio, pessoas que tiverem os sintomas - mesmo que sejam provenientes de países não afetados - também são monitoradas.RIOOntem, o secretário de Vigilância em Saúde do governo federal, Gerson Penna, afirmou que a morte de uma mulher de 50 anos, no Rio, procedente dos EUA, não foi provocada pelo vírus influenza A. A paciente - que não teve seu nome revelado - apresentava febre, dor de cabeça e vômito e estava internada no Hospital Barra D?Or. Segundo Penna, que integra o grupo executivo interministerial para discutir ações de prevenção da gripe, a mulher teria morrido de pneumonia bacteriana. O hospital informou que a causa da morte foi septicemia grave (infecção generalizada). O resultado do exame de sangue coletado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para detectar a causa da morte da paciente deverá ser divulgado até amanhã.