Caso será investigado por comissão do Cremesp

- O Estado de S.Paulo

O Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp) informou ontem que vai abrir sindicância contra o médico Roger Abdelmassih. O caso será o primeiro investigado pela recém-criada comissão de assédio sexual da entidade. Segundo o presidente do conselho, Henrique Carlos Gonçalves, já foi determinado um pente-fino em todas as denúncias de abuso médico arquivadas nos últimos anos."Se em alguma delas aparecer o nome do médico acusado, vamos pedir imediatamente o desarquivamento", afirmou Gonçalves, que também solicitou o processo ao Ministério Público para ter acesso aos nomes das pacientes envolvidas e convocá-las para audiências. O processo do Cremesp correrá em sigilo. Se for comprovado abuso, a pena recomendada é a cassação do registro profissional de Abdelmassih. "A evidência da existência de um ilícito ético é muito grande", disse.O arquivamento de processos de médicos acusados de assédio é recorrente. Das 212 denúncias do tipo que chegaram ao Cremesp entre 2002 e 2008, 65% não foram concluídas. O alto índice levou o conselho, mês passado, a criar a comissão específica para tratar do assunto. Na avaliação dos especialistas, o principal motivo é a dificuldade da paciente em comprovar a denúncia. "Muitas mulheres ficam constrangidas e desistem da denúncia", diz Gonçalves. De acordo com o Cremesp, o perfil típico do médico acusado de cometer abuso contra paciente é: homem, entre 40 e 60 anos, casado e com discurso religioso.