Brasil tem dois casos suspeitos e 36 pacientes em observação

Lígia Formenti, Fabiane Leite e Emilio Sant?Anna - O Estado de S.Paulo

Ministro pede para que pessoas confiem nas autoridades de saúde e não entrem em pânico

"Peço à população que confie nas autoridades. O momento é difícil, a situação é importante, mas o País está preparado", afirmou o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, ao comentar a mudança do nível de alerta de pandemia de gripe suína da fase 4 para a fase 5. "Toda a capacidade, toda a inteligência está mobilizada para que possamos enfrentar com tranquilidade e superar esse momento", completou o ministro.Temporão concedia na tarde de ontem uma entrevista coletiva sobre as providências de proteção contra a doença adotadas no País quando foi comunicado sobre a mudança determinada pela OMS. Ele seguiu a apresentação e, ao iniciar os comentários, fez questão de enfatizar a necessidade de a população manter-se calma. "Seria irresponsabilidade dizer que a doença não vai chegar. Mas estamos preparados", garantiu.Os recursos existentes para as medidas de contenção, de acordo com o ministro, são suficientes. "Mas se houver necessidades, poderemos requisitar um aumento." A partir de hoje, 20 kits de tratamento com o medicamento Tamiflu serão enviados para os Estados. A rede de hospitais de referência foi ampliada para 52 unidades. Com a mudança, todos os Estados têm uma unidade encarregada de receber casos suspeitos.Também ontem, dois pacientes, um de São Paulo e o outro de Minas, foram os primeiros brasileiros a serem oficialmente considerados suspeitos de portar o vírus da gripe suína. Eles estiveram recentemente no México e os sintomas apresentados preenchem as especificações do ministério para o caso, como tosse, dor muscular, dor de garganta e febre superior a 39°C. Outras 36 pessoas estão sob monitoramento.Em São Paulo, o suspeito de contaminação é um homem de 28 anos, com sintomas característicos da doença e que esteve na Cidade do México entre 12 e 26 de abril. Ele está internado no Hospital Emílio Ribas e os resultados preliminares de seus exames deverão ficar prontos na próxima semana. Ele é um dos dez pacientes internados no Estado.Segundo a Secretaria de Saúde, os outros nove são acompanhados por precaução, apesar de não serem suspeitos. No início da noite de ontem, o diretor do Emílio Ribas, David Uip, informou que o paciente suspeito continuava com febre. Ele está isolado em um quarto com pressão negativa, não pode receber visitas e os funcionários que o atendem têm de usar máscaras, luvas e avental. No hospital, a procura por atendimentos cresceu nos últimos dias, dizem os médicos. "Criou-se uma expectativa na população que não corresponde à realidade", diz o médico Claudio Gonsalez. Ao comentar o caso, o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), afirmou que o controle da entrada de pessoas no Brasil é de responsabilidade do governo federal. Disse, no entanto, que os órgãos estaduais, como o Centro de Vigilância Sanitária do Estado, estão cooperando com o ministério."Toda a questão da entrada de pessoas no Brasil é da esfera federal, da vigilância sanitária federal, do Ministério da Saúde, com a qual a vigilância sanitária estadual e a Secretaria da Saúde estão cooperando. Além do mais, temos uma rede para tratamento de doenças infecciosas muito avançada em São Paulo, capitaneada pelo (hospital) Emílio Ribas."