Brasil lança neste mês novo satélite para monitoramento territorial

Herton Escobar - O Estado de S.Paulo

Missão é crucial para que o País continue a ter imagens da Amazônia; instrumentos atuais podem parar de funcionar

O novo satélite brasileiro CBERS-2B, desenvolvido em parceria com a China, será lançado entre os dias 19 e 21. As datas foram confirmadas durante o fim de semana pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e pela Academia Chinesa de Tecnologia Espacial (Cast), responsáveis pelo projeto. A missão é crucial para a continuidade do monitoramento da Amazônia, já que os dois principais satélites utilizados hoje no programa (Landsat-5 e CBERS-2) podem parar de funcionar a qualquer momento. O lançamento será feito da base chinesa de Taiyuan, na província de Shanxi, ao sul de Beijing, com um foguete do tipo Longa Marcha. O CBERS-2B (Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres, em inglês) foi montado nos laboratórios do Inpe, em São José dos Campos, e seguiu de avião para a China em abril. Nas próximas três semanas, passará pelos testes finais e receberá combustível para, pelo menos, dois anos de serviço no espaço. Equipado com três câmeras para observação nas faixas do espectro visível e infravermelho próximo, o CBERS-2B ficará em órbita a 778 quilômetros de altitude. O satélite, de US$ 200 milhões, é uma cópia de seus antecessores CBERS-1 e CBERS-2, lançados em 1999 e 2003, também com vida útil prevista de dois anos. O primeiro parou de funcionar em agosto de 2003. O segundo continua operacional, mas pode bater as botas a qualquer momento. Por causa de uma pane elétrica em junho do ano passado, apenas uma de suas três câmeras é mantida funcionando. O Landsat-5, americano, também está com o prazo de validade vencido há quase 20 anos e pode pifar a qualquer segundo. Suas imagens, complementadas pelas do CBERS-2, são o principal instrumento do programa de monitoramento remoto da Amazônia (Prodes), usado para calcular as taxas anuais de desmatamento. O CBERS-2 é também usado no programa de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), uma importante ferramenta de fiscalização florestal nos últimos anos, além de uma série de outras aplicações de planejamento e monitoramento territorial em todo o País. Se ambos os satélites pifarem, o Brasil ficaria sem olhos no espaço e seria obrigado a comprar imagens de outros sistemas, a um custo muito maior. Os próximos satélites da série CBERS (3 e 4) deverão ficar prontos só em 2009 e 2011. "Percebemos que entre o fim da vida do CBERS-2 e o lançamento do CBERS-3 havia a possibilidade de ficarmos um período sem satélites, o que interromperia serviços de fundamental importância para o País", disse ao Estado o diretor científico do Inpe, João Braga. "Temos que garantir a continuidade das imagens." BACKUP O CBERS-2B foi originalmente construído como uma cópia de teste do CBERS-2. "Num projeto de satélite, são sempre construídos dois: um para ser testado e outro para ser lançado", explica o coordenador do Programa Amazônia do Inpe, Dalton Valeriano. Diante da urgência de colocar um novo equipamento no espaço, entretanto, optou-se por lançar também a réplica. "Para nós ele vai funcionar como uma ponte", disse Valeriano. A principal modificação do CBERS-2B é a substituição de uma câmera IRMSS por outra do tipo HRC, de alta resolução. Os investimentos no projeto foram divididos em 30% para o Brasil e 70% para a China. Já no caso dos CBERS-3 e 4, a partilha será de 50% para cada país. Várias partes do satélite foram construídas por empresas brasileiras, como os painéis solares. Desde 2004, as imagens do CBERS são distribuídas gratuitamente para usuários brasileiros, o que fez do Brasil o maior fornecedor de imagens de satélite do mundo; são mais de 300 mil. Cerca de 1.500 instituições públicas e privadas utilizam o serviço. FAMÍLIA DE SATÉLITES CBERS-1: primeiro da colaboração Brasil-China, lançado em 14 de outubro de 1999, funcionou até agosto de 2003 (dois anos a mais que o previsto), com 3 câmeras CBERS-2: idêntico ao CBERS-1; lançado em 21 de outubro de 2003, continua a funcionar com apenas uma das 3 câmeras CBERS-2B: construído como versão de teste do CBERS-2, será lançado entre 19 e 21 deste mês, com vida útil prevista de 2 anos CBERS-3: primeiro da "nova geração", com lançamento previsto para 2009; terá 4 câmeras e tecnologia superior CBERS-4: deverá ser idêntico ao CBERS-3, com lançamento previsto para 2011 SSR-1: Satélite de Sensoriamento Remoto, rebatizado de Amazônia-1, em construção, com previsão de lançamento em 2010; será o primeiro satélite desse tipo 100% brasileiro