Bolsa serve como incentivo para cursos paralelos

ALEXANDRE GONÇALVES - O Estado de S.Paulo

Para quem ainda não se formou, o ProUni tem sido uma possibilidade de estudo. É o caso de Tatiany Maria da Silva, de 23 anos, que trabalha como auxiliar administrativa em uma escola de Itaquaquecetuba, na Grande São Paulo. Ela está cursando Publicidade e Propaganda com bolsa integral. "Com o dinheiro economizado da mensalidade, vou pagar um curso de corel draw no próximo mês", afirma. "Assim, aumentam as chances de conseguir um bom emprego na minha área." Tatiany cogita iniciar curso de inglês. A estudante de marketing Tamara Carla de Freitas Guimarães, de 17 anos, está desempregada. No início do ano, ingressou no ProUni também com bolsa integral. "Sem o programa, não faria faculdade", diz. Com a oportunidade da graduação, pretende encontrar, até o próximo semestre, estágio em sua área. Ela também deseja fazer cursos de especialização com os primeiros salários.