Bento XVI discute sobre diálogo ecumênico

José Maria Mayrink - O Estado de S.Paulo

Ainda sem o título de cardeal, honraria que receberá às 10h30 de hoje (7h30 no horário de Brasília) na Praça de São Pedro, o arcebispo de São Paulo, d. Odilo Pedro Scherer, participou ontem de um encontro do papa Bento XVI com os membros do Colégio Cardinalício sobre o diálogo ecumênico. Aberto pelo presidente do Pontifício Conselho para a União dos Cristãos, cardeal Walter Kasper, que falou sobre as relações da Igreja Católica com as antigas Igrejas Orientais e Ortodoxas, com as comunidades protestantes nascidas da Reforma de Lutero e com os movimentos carismáticos e pentecostais surgidos no século passado, o encontro analisou os avanços obtidos nesse campo. Os 17 cardeais que participaram dos debates salientaram o trabalho comum dos cristãos no campo social e na defesa dos valores morais na transformação da sociedade. "A doutrina social da Igreja e sua atuação foram apontadas como os campos mais promissores para o ecumenismo", afirma um comunicado distribuído pelo Vaticano. Com a nomeação dos 23 novos cardeais que receberão hoje o barrete vermelho das mãos de Bento XVI, o Colégio Cardinalício passa a contar com 201 membros, dos quais 121 eleitores - cardeais com menos de 80 anos - que serão convocados para escolher o papa num eventual conclave. Cinco dos que foram nomeados no dia 17 de outubro já ultrapassaram essa idade.D. Odilo, de 58 anos, é o terceiro mais moço dos eleitores, sendo mais velho apenas que os arcebispos de Lyon (França) e de Budapeste (Hungria), respectivamente Philippe Barbarin, de 57 anos, e Péter Erdõ, de 55 anos. Nascido em 21 de setembro de 1949 na cidade de Cerro Largo (RS), ele foi eleito bispo em novembro de 2001 e elevado a arcebispo em março deste ano.Uma comitiva de 350 pessoas, incluindo caravanas de parentes da Alemanha e de amigos do norte da Itália, onde d. Odilo trabalhou, assistirá às cerimônias em Roma.O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), e o prefeito da capital, Gilberto Kassab (DEM), também participarão como convidados. O presidente Lula enviou seu secretário Gilberto Carvalho para representá-lo nas cerimônias.