Atriz e desenhista

Bia Fugulin, especial para o Feminino - O Estado de S.Paulo

Maureen Miranda revela seu talento como ilustradora, criando desenhos exclusivos para grifes conhecidas

.

Ela é daquelas mulheres de múltiplos papéis. É atriz, mas também transita no mundo da arte impressa, como ilustradora. E, há um ano, fez sua estreia na moda, levando seus desenhos para peças de roupas de grifes contemporâneas, como Cavalera, Colcci, Ma Poupée e Thaís Gusmão. Esta é a nova vertente que vem sendo explorada por Maureen Miranda, 33 anos.

 

POLIVALENTE – Elaborar ilustrações para grifes da moda é o mais novo ofício de Maureen Miranda

 

A inspiração para os desenhos vem de cenas do dia a dia, do comportamento das pessoas e do movimento das ruas. Os artistas plásticos que mais a influenciam são os austríacos Gustav Klimt e Egon Schiele, porém Maureen acredita que seu trabalho é muito mais intuitivo que racional. "Costumo pintar meus sonhos, meu estado de espírito", revela.

 

As suas criações seduzem pela delicadeza dos traços, ousadia dos temas e sutileza das cores, seguindo um estilo ultrafeminino. Não importa se as produz com aquarela, bico de pena, canetinha com água, colagem ou nanquim: os traços são declaradamente românticos. Aliás, esse gênero caiu como uma luva para a coleção de pijamas que será lançada no ano que vem pela Thais Gusmão, marca de roupa íntima. Para essa linha, Maureen desenhou os 12 signos do horóscopo.

 

TRAÇOS ROMÂNTICOS E DELICADOS – Alguns dos desenhos criados por Maureen para a marca Colcci

 

O casamento entre a moda e a carreira artística não tem muito tempo, mas está dando certo. Ela nutre as duas atividades com a mesma paixão, e não pensa em dar uma pausa em nenhuma delas. Além de ser atriz e ilustradora, acumula as funções de figurinista e diretora. Tem sua própria companhia teatral, que fundou em 2007, a Insólita Companhia de Teatro, que agora se chama Clepsidra. No momento, está dirigindo duas peças: Os Três Espelhos, de sua autoria, e O Carrossel, musical de Hélio Brandão, ambas em cartaz em Curitiba.

 

Como atriz, transita mais no teatro, embora já tenha feito participações em programas de televisão, como o seriado Som e Fúria, dirigido por Fernando Meirelles, e o programa A Grande Família, ambos na TV Globo. "Adoro televisão e morro de vontade de fazer mais", confessa Maureen. No cinema, faz parte do elenco do recém-lançado filme de Anna Muylaerte, É Proibido Fumar, seu debut em longa-metragem.

 

Apesar da diversidade de funções, não se atrapalha no dia a dia. "Sou superorganizada, trabalho em cima de cronogramas", comenta. Ainda encontra tempo para produzir ilustrações para algumas revistas, como Top View e Juliette, ambas de Curitiba. Seus desenhos também podem ser vistos – e comprados – na galeria de artes digital Urban Arts (www.urbanarts.com.br), em forma de pôsteres e quadros.

 

Vale a pena conferir um trabalho seu que gera polêmica até hoje: a série As Puta Véia, que produziu quando tinha 17 anos. A partir da figura de uma prostituta, teve a ideia de criar a personagem, que deu nome à série. Colocou-a no papel, ou melhor, em cartões postais, com várias versões: A Puta Véia do Lar, A Puta que Pariu, A Puta Enxaqueca, etc. "Fiz uma grande brincadeira com o nome de puta", comenta Maureen, a respeito do projeto que pode ser encontrado no site da Urban Arts, na Galeria Rojo (R. Dr. Virgílio de Carvalho Pinto, 297) e na livraria do Espaço Unibanco de Cinema (Rua Augusta, 1.475).

 

DESDE A INFÂNCIA

Maurren nasceu em Pato Branco, no Paraná. Criancinha, descobriu seu dom para o desenho. Aos 15 anos, foi morar com a sua irmã em Curitiba, onde fez curso de teatro no Sesc. Acabou se formando em publicidade e propaganda, sem deixar o teatro de lado nem o hábito de desenhar.

 

Quando percebeu que era possível fazer do seu dom uma atividade profissional, resolveu investir. Não deu outra: reuniu boa parte dos seus desenhos e lançou o livro Botei Um Ovo, publicado em 2005. Nele, estão as principais ilustrações que a acompanharam durante a adolescência, retratando o que se passava em sua cabeça e parte de sua trajetória profissional.

 

Daí para a sua estreia na moda foi um pulo. Em 2008, durante uma visita ao São Paulo Fashion Week, fez um contato que a levou a conhecer o Turco Loco, proprietário da Cavalera. Apresentou seu trabalho a ele, que encomendou cerca de 40 desenhos para ilustrar algumas peças da marca. "Foi uma delícia criar desenhos para compor roupas. Já os imaginava estampados em cada uma delas", diz Maureen. Antes disso, só havia estampado suas criações em peças para uso próprio.

 

Teve outro empurrão quando foi convidada a publicar seus desenhos no catálogo da Associação Brasileira de Estilistas (ABEST), um guia para os profissionais de moda. Isso lhe rendeu mais contatos e, agora, além do trabalho para a Cavalera, estão prestes a entrar nas vitrines desenhos que criou para a Colcci, Ma Poupée e Thaís Gusmão.

 

No blog de Maureen, é possível ver boa parte do que ela faz (http://maureenmiranda.blogspot.com). Pois a produção continua.