Arqueólogos acham na Europa instrumento musical mais antigo

Alexandre Gonçalves - O Estado de S.Paulo

Flauta alemã de 35 mil anos revela que, à época, cultura já era avançada

Uma flauta de osso de pássaro descoberta em uma caverna da Alemanha foi entalhada há cerca de 35 mil anos e é o mais antigo instrumento musical artesanal já descoberto, oferecendo a mais nova evidência de que as primeiras populações humanas da Europa tinham uma cultura complexa e criativa. Leia mais sobre a descoberta e ouça os sons emitidos pela flauta Uma equipe liderada pelo arqueólogo Nicholas Conard, da Universidade de Tübingen, na Alemanha, montou a flauta a partir de 12 fragmentos de osso de abutre, espalhados por uma pequena área da caverna de Hohle Fels, no sul da Alemanha. Juntas, as peças formam um instrumento musical de 22 centímetros com cinco furos e uma extremidade em forma de "V". "É, sem dúvida, o mais antigo instrumento musical do mundo", disse o pesquisador. A descoberta está descrita na edição desta semana da revista científica Nature. Outros arqueólogos concordaram com a avaliação de Conard. A arqueóloga especializada no período Paleolítico April Nowell, da Universidade de Victoria, no Canadá, disse que a data da flauta é anterior à de outros instrumentos, "mas não tão mais antiga que chegue a ser surpreendente ou polêmico". Ela não tomou parte no trabalho de Conard. O pesquisador brasileiro Walter Alves Neves, da Universidade de São Paulo (USP), também considera a descoberta um "grande achado". "Mas ela faz parte de um pacote de criações conhecido como revolução artística do Paleolítico Superior", explica Neves. Há 40 mil anos, o homem usou signos pela primeira vez para representar conceitos. Surgiram as pinturas nas paredes das cavernas e as primeiras esculturas. O período também conheceu o nascimento da linguagem. "Esperávamos que a música estivesse no pacote", aponta Neves. HUMANIDADE A flauta de Hohle Fels é mais completa e um pouco mais velha que fragmentos de osso e marfim de outras sete flautas, também encontradas no sul da Alemanha e documentadas por Conard e colegas nos últimos anos. A equipe escavou o instrumento em setembro de 2008, mesmo mês em que descobriu seis fragmentos de marfim em Hohle Fels que compõem uma estatueta feminina que, acredita-se, é a mais antiga escultura de uma forma humana. Juntas, flauta e estatueta - descobertas na mesma camada de sedimento - sugerem que seres humanos modernos estabeleceram uma cultura avançada na Europa há 35 mil anos, disse o arqueólogo Wil Roebroeks, da Universidade de Leiden, na Holanda. "Os primeiros hominídeos surgiram há 7 milhões de anos", afirma Neves, sublinhando o que considera mais interessante na descoberta. "Mas a humanidade nasceu há apenas 40 mil anos, com o aparecimento da capacidade simbólica." COM AP