Aprovada lei que proíbe refrigerante em cantinas

- O Estado de S.Paulo

Os deputados da Assembleia Legislativa de São Paulo aprovaram nesta semana uma lei que proíbe a venda de coxinhas, refrigerantes, doces e outros alimentos com excesso de gordura trans em cantinas de escolas das redes pública e particular do Estado. De autoria da deputada Patrícia Lima (PR), a justificativa é que esses produtos prejudicam a saúde das crianças em fase escolar. Para entrar em vigor, no entanto, a proposta ainda precisa ser sancionada pelo governador José Serra (PSDB). O presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de São Paulo (Sieesp), Benjamin Ribeiro da Silva, ameaça entrar com ação na Justiça caso o projeto seja sancionada. "É uma medida inconstitucional, sem fundamento e que eu espero que não seja sancionada", disse Silva. Mesmo reconhecendo que a radiografia nutricional dos estudantes não esteja com números favoráveis, Silva, diretor de duas escolas particulares da capital, diz que a proibição não surte efeito.Para ele, o impacto pode ser inverso. "Sabemos que para crianças e adolescentes prevalece a ideia de que o que é proibido é mais gostoso", declarou. "Pode ser proibido na cantina, mas, sem educação, a criança vai continuar comendo muito pastel na banca que fica na esquina da escola."