Anvisa dá aval para nova vacina

Fabiane Leite - O Estado de S.Paulo

Ministério, porém, diz que não investirá em fabricação de produto contra gripe suína; País recebe kit de diagnóstico

O governo brasileiro autorizou ontem previamente a fabricação, distribuição e comercialização no País de uma vacina contra a gripe suína. Isso deverá reduzir em pelo menos um ano o prazo para a eventual disponibilização do produto, que está em fase inicial de pesquisa no mundo. Veja o mapa da doença no mundoNo entanto, o Ministério da Saúde informou ter decidido que, no momento, dará prioridade à importação de imunizantes produzidos por multinacionais. A pasta não vai investir agora na fabricação de uma vacina nacional pela Fundação Butantã, pois defende que ela priorize a produção da vacina contra a gripe comum, que está atrasada.A fundação, ligada ao governo estadual de São Paulo, é o único laboratório público que tem uma fábrica de vacina contra a influenza sazonal no País, investimento de R$ 54 milhões do Estado e União, mas ela ainda não está produzindo por causa de atrasos nos cronogramas das obras. O objetivo era que, com a planta, o País tivesse alcançado a autossuficiência destas vacinas em 2008. A doença gera 500 mil mortes anuais no mundo. O secretário de Ciência e Tecnologia do ministério, Reinaldo Guimarães, destacou que ainda é controversa a fabricação da nova vacina e que podem ocorrer problemas. "Nós entendemos que isto pode demorar. O Butantã recebeu recursos muito importantes para produzir a vacina sazonal, e ele está atrasado, então a posição é que ele tem de continuar o processo. Com relação a vacina de gripe suína, o ministério vai comprar de produtores que oferecerem, se ela aparecer", disse Guimarães. "Quando o Butantã tiver isto com velocidade de cruzeiro, vamos examinar. Ele é uma instituição de primeiríssima qualidade. No Brasil, o que se fizer em influenza, é do Butantã", completou. A reportagem não localizou representantes da fundação para comentar. O presidente do órgão, Isaías Raw, vinha defendendo a priorização da vacina contra o novo vírus.Segundo a resolução da diretoria colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a autorização prévia para a nova vacina só vale para detentores de registro de vacinas contra o vírus da gripe no Brasil, que tenham fábricas do produto e para produção a partir da cepa do novo vírus fornecida pela Organização Mundial da Saúde. Além disso, a agência deverá ser comunicada após o recebimento da cepa.De acordo com o diretor-presidente da Anvisa, Dirceu Raposo de Mello, todo o processo será acompanhado por um comitê técnico regulatório, que poderá verificar eventuais problemas e dar soluções imediatas. "Propusemos a medida para que não se crie problemas burocráticos." No Brasil, há pelo menos cinco laboratórios com registro de vacinas contra a gripe, entre eles o Butantã, o único nacional. Os demais não têm fábrica do produto.DIAGNÓSTICOOntem, a agência liberou, para laboratórios do Rio e São Paulo, os primeiros kits de diagnóstico da nova doença, que deverão elucidar casos suspeitos. Os resultados devem sair em 72 horas, a partir do início das análises.