Antigo manicômio poderá dar lugar a espaço cultural

- O Estado de S.Paulo

A Casa de Saúde Anchieta foi interditada após vistoria que flagrou superlotação, pacientes dormindo no chão, tratados a banho frio e mantidos em quartos sujos de fezes ou nas 12 "celas-fortes", sem ar ou luminosidade, onde doentes ficavam sem roupas. As seringas não eram esterilizadas, o choque, aplicado como punição, e o uso de remédios, abusivo. O hospital particular, que recebia diárias do Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social (Inamps), foi esvaziado em 1996 e invadido por 15 famílias que pagam R$ 250 de aluguel a um loteador. A prefeitura de Santos pretende recuperar a casa, mas terá de vencer uma batalha judicial. Os donos querem que a prefeitura assuma uma ação trabalhista estimada em R$ 3,5 milhões e perdoe mais de R$ 600 mil em dívidas de Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). O prefeito de Santos, João Paulo Tavares Papa (PMDB), diz que negocia com eles uma "desapropriação amigável". "Gostaria de retomar o espaço e abrigar ali ações culturais de organizações como a Tam Tam e outras", diz.