Agentes fecharam 81 locais de produção

- O Estado de S.Paulo

Nas fiscalizações realizadas neste ano foram fechados 81 locais que fabricavam remédios ilegais no mercado. A lista dos produtos sem registro é extensa e com muitos fitoterápicos, elaborados com plantas. "Os que mais vendem são os de forte apelo popular, que prometem cura milagrosa, como do câncer e da aids", diz Adilson Bezerra, chefe de Inteligência da Anvisa.

A venda ou compra de remédios piratas no País é considerada crime hediondo, cuja pena varia de 10 a 15 anos de cadeia. Neste ano, o número de presos chega a 104. A farmácia que for flagrada com esses produtos no estoque é interditada. O proprietário, além de responder criminalmente, pode ser multado em até R$ 2 milhões.