A volta do latim às missas

- O Estado de S.Paulo

Idioma agora pode ser usado em cultos

Até ontem, eram raras as tradicionalíssimas missas rezadas em latim, que precisavam de autorização expressa da Santa Sé. Nelas, o padre fica de costas para os fiéis para realçar seu papel de mediador entre Deus e os fiéis. A tradição, no entanto, começará a ser retomada aos poucos nas igrejas, com a entrada em vigor de uma autorização do papa Bento XVI para que os sacerdotes possam rezar missas tridentinas. Foi o que ocorreu, ontem mesmo, em pelo menos duas paróquias de São Paulo. Sentada na primeira fila de bancos da Igreja Menino Jesus de Santa Luzia, no centro, véu branco sobre os cabelos grisalhos, a aposentada Clélia Maria de Oliveira, de 74 anos, usava uma lupa para acompanhar o roteiro da cerimônia do meio-dia. "A missa legítima perdoa nossos pecados", acredita ela, que sempre acompanhou o culto em modelo tradicional, rezada ali nos fins de semana. "Não entendo a língua e não acho que seja importante entendê-la. Presto atenção com muito sacrifício, amor e caridade, isso deve bastar." O padre José Henrique do Carmo explica que há três anos tem autorização para realizar a cerimônia tridentina. "O papa João Paulo II tinha solicitado aos bispos do mundo que acolhessem os fiéis tradicionais." Às 15 horas, o altar da Paróquia São Felipe Neri, na zona leste, foi incensado para a primeira missa em latim a que a comunidade assistiria. Entre o público presente, Jéssica Micaela de Oliveira Perassi, de 15 anos, que quer ser freira. "Os dois tipos de cerimônia são um sacrifício a Deus."