A relação entre girafas, árvores e formigas

Fernando Reinach* - O Estado de S.Paulo

Ecossistemas complexos como a floresta amazônica e a savana africana ainda são lugares onde o que desconhecemos supera em muito o que conhecemos. A cada nova descoberta, fica mais evidente nossa ignorância. A recém-descoberta relação entre árvores, formigas e os grandes herbívoros é um bom exemplo.Tudo começou quando um grupo de ecologistas levou um susto ao estudar uma área que havia sido cercada para evitar a presença de girafas e elefantes. Eles esperavam encontrar um aumento de acácias, as árvores preferidas pelos herbívoros, mas para seu espanto elas pareciam mais sofridas e seu número havia diminuído. Como explicar que a ausência de "comedores de árvores" diminuía o número de árvores?Instigados pela observação, os ecologistas compararam as acácias presentes em duas áreas de savana, uma em que os herbívoros circulam livremente e outra na qual eles haviam sido retirados fazia 15 anos. O que eles descobriram é surpreendente.Nas áreas em que as acácias eram regularmente podadas pelos herbívoros, os ecólogos observaram que as acácias são habitadas preferencialmente por uma espécie de formiga que vive no oco dos espinhos e se alimenta de uma espécie de seiva secretada pela árvore. Essas formigas defendem seu território de maneira agressiva. Se você, um outro inseto ou um pequeno animal encostar nessas árvores, as formigas tentam repelir a "invasão" com ferroadas violentas. Essas formigas "do bem" praticamente não causam danos à árvore e na verdade são "sustentadas" pela seiva secretada por ela. Na verdade, o que as formigas estão fazendo é defender seu território de outras formigas (vamos chamá-las "do mal") que ao, se instalar na árvore, cortam as folhas e permitem que outros insetos cavem buracos nos troncos, enfraquecendo a árvore. O que ocorre na savana é uma competição ferrenha entre essas espécies de formigas, cada uma dominando um grupo de árvores e disputando o espaço em cada uma. Mas e as girafas, o que elas têm a ver com isso?O que os ecologistas observaram é que, nas áreas em que os herbívoros foram extintos, as acácias, na ausência da poda constante das girafas e dos elefantes, param de secretar a seiva que alimenta as formigas "do bem". Provavelmente, a secreção de seiva é uma reação da acácia à poda feita pelos herbívoros. Sem o suprimento de seiva, as agressivas formigas "do bem" acabam perdendo a competição para as "do mal". Nas áreas em que não existem herbívoros de grande porte, as formigas "do mal" acabam dominando um número maior de acácias. Como essas formigas são prejudiciais para a acácia e, além disso, permitem que outros insetos as ataquem, o resultado é que as árvores se desenvolvem mais lentamente, o que explica porque na ausência de herbívoros as acácias ficam mirradas.O interessante desse estudo é que ele demonstra como são complexas as interações entre seres vivos e como nossa primeira impressão (menos girafa, mais árvores) muitas vezes está totalmente equivocada. Como sempre, a realidade é muito mais complexa. Um dos principais erros de muitos conservacionistas é acreditar que conhecem o suficiente sobre os ecossistemas para poder "manejá-los". Por outro lado, com a velocidade com que o homem está destruindo esses ecossistemas, eles irão desaparecer muito antes que possamos compreender como eles são regulados. Mais informações em: Breakdown of an ant-plant mutualism follows the loss of large herbivores from na african savanna, Science, vol. 319, pág. 192, 2008. *Biólogo - fernando@reinach.com