A fera está solta

Erica Akie - O Estado de S.Paulo

O estilista do Pânico aceitou nosso convite: foi com a Revista JT até o Brás, viu tendências do verão e gongou quem anda fora da moda

Ele é o queridinho do momento no mundo fashion. O ator Evandro Santo, na pele de Christian Pior, invade as melhores festas da Cidade e analisa os looks dos chiques (como ele diz, "chiques com ‘sh’") e famosos. O mais novo integrante da turma do Pânico, da RedeTV!, ridiculariza os trajes das figurinhas da ‘alta sociedade’ e das celebridades - e há até quem se sinta elogiado com as alfinetadas do ‘estilista’. Freqüentador dos grandes eventos da moda, ele topou um passeio com a Revista JT pelo Brás, um dos bairros populares da moda em São Paulo. Olhou vitrines, as últimas tendências, analisou looks de quem fazia compras, trabalhava ou apenas parava para pedir autógrafos e fotos. Não teve piedade: gongou os erros, parabenizou os acertos e, no fim do dia, avaliou a experiência com seu bordão "ovulei!" Do programa diário na rádio Jovem Pan, corremos para o Brás. A popularidade do personagem é tamanha que nenhum shopping center quis autorizar a realização da reportagem por medo do tumulto que poderia acontecer. Caminhando pelas ruas, os curiosos riam quando Christian analisava as roupas dos outros, mas saíam correndo quando sentiam que poderiam ser alvos das alfinetadas. Mais de 30 pessoas receberam dicas de Christian, que, para os piores looks, soltava sempre um "coraaaaaagem!" Por mais brincalhão que seja, o mineiro de Uberaba sabe falar sério sobre moda. "Acho cafona o brasileiro fugir da sua identidade. Aqui não é Europa. Não consigo entender por que o povo compra creme vindo da França, por exemplo. É claro que não vai dar certo na sua pele. Olha o clima! Nas roupas também. O Brasil é cor. Às vezes me pego olhando as ruas de São Paulo e vejo todo mundo de preto, de cinza. Falta vermelho, amarelo, laranja e tons neon..." Dicas não faltam no repertório. "O brasileiro precisa ter uma camiseta branca básica, jeans reto, bermudinha, chinelo, um par de All Star e óculos estilo Ray Ban - vale de camelô também. Ah, e a chapinha malfeita? Por que não assumir o cabelo afro? Adota um estilo black power, colega!" Os bordões » Procura no Google Não sabe o que é? Joga no Google. Evandro criou seu mais famoso bordão em sua primeira matéria, no casamento de Wanessa Camargo. "Saiu espontaneamente", garante. » Chique com ‘sh’, bem! Essa era uma frase de uma outra personagem dele, a Denilma Bilhões. » Ovulei! Outra tirada de uma personagem criada pelo ator - Janeyde, a brega queen. » Pára tudo e chama a Nasa! Foi a Andrea Barreto, empresária e amiga de Evandro, a mentora do bordão. » Buzuzu! Quando encontra algo ou alguém muito doce, muito meigo, Evandro chama de ‘buzuzu’. "Não tenho a menor idéia de onde saiu, mas eu gosto de chamar as coisas assim." » Coragem! Na verdade, pronuncia-se "coraaaaaaaaaage!". Christian usa para denominar as coisas mais estranhas que encontra pelo caminho. » Um minuto de silêncio Para gongar as pessoas que "moram mal". Quem é o Evandro Santo "real" Evandro Santo nasceu em Uberaba, Minas Gerais, de onde saiu há 17 anos porque queria ser bailarino. "Não pensava em ser ator, muito menos comediante. Isso começou porque eu tive de fazer aqueles ‘telegramas animados’ para ajudar no orçamento", lembra. A oportunidade de entrar para a turma do Pânico apareceu há cerca de três meses, quando Evandro participou do quadro "Ilustres Comediantes Desconhecidos", no programa da rádio. Depois disso, ele foi chamado por Emílio Surita, diretor da atração, para fazer um outro quadro na versão televisiva. "Senti ali que havia feito meu trabalho, mas não tinha pretensão nenhuma de entrar para o Pânico, eu sentia que era um grupo bem fechado", admite Evandro. Mas o ator se enganou. Recebeu uma outra ligação de Emílio e, numa reunião, nasceu Christian Pior. "Isso foi há dois meses. Nos reunimos dia 26 e, já no dia 27, estava gravando o casamento da Wanessa Camargo." A vida de Evandro mudou completamente. "Eu não esperava a fama. Eu achava que já tinha sucesso porque eu era um ator que vivia no Brasil sem ter de dividir apartamento, com empregada. Isso é uma vitória. Eu já não acreditava na fama e ela aconteceu. Só que eu não sou um deslumbrado", garante. Para ele, o sucesso de Cristian se deve ao tipo de humor que o personagem executa. "A celebridade é algo importante na vida das pessoas, ela traz sonhos e gera expectativas de uma vida melhor. Quando eu falo que ‘aquele vestido fica bom nela e em você não porque você pareceria a Maga Patológica’, eu quero que você se questione e saiba que estou humanizando aquele ser intocável e rico. O humor não precisa ser tão literal, ele pode ser fino e irônico. Eu adoro ironia", explica Evandro, que tem o sonho de entrevistar Gisele Bündchen.