''A escola é enciclopédica, mas a vida é complexa''

- O Estado de S.Paulo

Desde o início do ano, a Secretaria da Educação colocou em prática algumas mudanças no ensino médio oferecido em São Paulo. A primeira delas tem a ver com o conteúdo ensinado em classe, já que pela primeira vez foi traçado um currículo único para todas as escolas - demanda prevista na Lei de Diretrizes e Bases (LDB), mas colocada em prática por poucas redes até o momento. Outro projeto está oferecendo 50 mil vagas de cursos técnicos em gestão de pequenas empresas aos alunos interessados, em parceria com a Fundação Roberto Marinho e o Centro Paula Souza. Em algumas cidades, a estratégica é formar parcerias com instituições locais para amplicar a oferta desses cursos. "Estamos oferecendo um apoio à continuidade dos estudos com enfoque vocacional para os alunos interessados e a opção de curso técnico para outros", afirma Maria Inês Fini, coordenadora de projetos da secretaria. Segundo ela, o currículo foi definido com base em cinco eixos: estímulo à leitura, cultura como educação, desenvolvimento de competências para aprender, contextualização no mundo do trabalho e empreendedorismo. "Há um descompasso grande entre a escola e a vida. E isso se acentua no ensino médio, quando o jovem ganha a habilidade de se questionar e pensar nele mesmo", diz. "A escola ainda é enciclopédica e a vida é digital e complexa."