2ª infecção pode provocar o tipo hemorrágico

- O Estado de S.Paulo

Do ponto de vista médico, o surto de dengue no País foi provocado pela chegada do tipo 3 do vírus a novas cidades. Foi esse mesmo tipo 3 que provocou a grande epidemia no Rio e em capitais do Nordeste em 2001-2002. No mundo, existem quatro diferentes tipos do vírus da dengue. No Brasil, até o momento, circulam os tipos 1, 2 e 3. Ao ser infectada uma vez, a pessoa fica imune ao sorotipo que a contaminou. Mas ela pode infectar-se com os demais. Em Mato Grosso do Sul e regiões do interior do Estado de São Paulo, o tipo 3 foi detectado recentemente. Por isso a situação é crítica nesses locais. Quando o paciente é infectado uma segunda ou uma terceira vez por um sorotipo diferente do vírus, ele corre o risco de desenvolver a forma grave da doença, a dengue hemorrágica, que pode levar à morte. Uma das preocupações nesses casos é o correto atendimento médico. A dengue hemorrágica começa com uma febre que passa logo em seguida, mas depois reaparece. "Muitos médicos dão alta para o paciente assim que a febre passa. É um erro. Essa é a curva da morte", explica o clínico Eraldo Bulhões Martins, do Sindicato dos Médicos do Rio. A taxa de mortalidade pela dengue no Brasil é de 13%, um índice bem superior àquele tolerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), de 3%.