2 em cada 3 motoristas brasileiros já dirigiram depois de consumir álcool, diz pesquisa

Danielle Sanches - Especial para O Estado de S. Paulo

Estudo divulgado pela Heineken revelou ainda que 30% dos motoristas do País acreditam ser culturalmente aceito beber antes de dirigir

Pesquisa global da Heineken mostrou que 2 em cada 3 motoristas brasileiros já dirigiram depois de consumir álcool.

Pesquisa global da Heineken mostrou que 2 em cada 3 motoristas brasileiros já dirigiram depois de consumir álcool. Foto: stevepb / Pixabay

Um estudo divulgado pela marca de cervejas Heineken revelou que 2 em cada 3 motoristas no Brasil já dirigiram depois de consumir algum tipo de bebida alcoólica. A pesquisa ainda mostrou que 30% dos motoristas do País acreditam ser culturalmente aceito beber antes de assumir o volante. 

A análise global foi feita em dez países (China, Brasil, Estados Unidos, Reino Unido, Itália, Índia, África do Sul, Vietnã, Holanda e México) com condutores de ambos os sexos com idades entre 25 e 54 anos que admitiram consumir bebidas alcoólicas pelo menos uma vez por mês. Também foram selecionados participantes fãs de Fórmula-1.

O estudo é parte das ações da campanha When You Drive, Never Drink, desenvolvida pela Heineken para inspirar mudanças positivas em torno do comportamento da direção sob o efeito do álcool. Uma das estrelas da campanha é o piloto Nico Rosberg, campeão mundial na F-1 em 2016 que participou de um filme mostrando como "só uma cerveja" pode fazer a diferença para quem assume o volante. 

De acordo com Helena Rubinstein, cientista comportamental da consultoria britânica Innovia Technology, especialista em programas de mudança de comportamento , a pesquisa demonstra que as campanhas tradicionais – dizendo o que as pessoas não podem fazer – não são suficientes para mudar a mentalidade dos consumidores. 

“No mundo todo, as campanhas públicas são feitas para dizer o quão errado é beber e dirigir. Embora sejam importantes, elas não funcionam”, disse a especialista ao E+. “As pessoas não respondem bem quando são orientadas dessa forma. O que fizemos foi descobrir como poderíamos ir além e influenciar de fato o comportamento dessas pessoas”, diz a especialista. 

Mudança cultural. Com base nos insights da pesquisa, a marca de cerveja selou uma parceria com a Innovia Technology para desenvolver e testar algumas intervenções em bares visando conscientizar as pessoas de não beber e dirigir. 

“As pessoas querem pertencer ao grupo e, muitas vezes, acabam bebendo para participar”, acredita Helena. Segundo ela, em todo mundo, pensamentos como “vou ficar bem, é apenas uma taça” ou “nunca serei pego” são comuns entre motoristas que dirigem após beber. “Nossas ações foram formatadas para influenciar as pessoas a fazer o certo, ou seja, não beber nenhuma gota de álcool se forem dirigir”, explica a especialista. 

As medidas incluíram colocar bebidas sem álcool mais visíveis nos bares, treinar os bartenders a perguntar aos clientes se eles vão dirigir ou não e ainda espalhar diversos cartazes em locais estratégicos (como nas prateleiras dos bares e no caminho até o estacionamento) lembrando que não é seguro beber e assumir o volante. Os resultados foram promissores: cerca de 50% dos motoristas deixaram de beber e dirigir. 

“A análise nos deu a oportunidade de direcionar melhor nossas campanhas de comunicação para uma mudança real de comportamento”, afirmou Gianluca Di Tondo, diretor global sênior da Heineken. “Estamos orgulhosos dos resultados iniciais, mas sabemos que isso é apenas o começo da nossa jornada”, completou. 

Para a cientista Helena Rubinstein, é importante lembrar que qualquer mudança de comportamento pressupõe um trabalho de longo prazo, com campanhas e ações coordenadas para mudar a mentalidade atual. “Há alguns anos, era aceitável fumar dentro de bares ou não usar cinto de segurança. Isso mudou. Isso é possível”, acredita. 

Confira o vídeo da campanha abaixo: