2 alunas, uma delas grávida, são queimadas em trote

CHICO SIQUEIRA e TATIANA FÁVARO - O Estado de S.Paulo

Calouras da Fundação Educacional de Santa Fé do Sul tiveram produtos químicos despejados em seus corpos

Duas calouras da Fundação Educacional de Santa Fé do Sul (a 623 quilômetros de São Paulo) - uma delas grávida - foram internadas com queimaduras causadas por produtos químicos despejados em seus corpos durante trote na noite de segunda-feira. Ontem, passaram por exame de corpo de delito e prestaram depoimento na Delegacia da Mulher, onde foi aberto inquérito. Conte a sua história de trote e responda enquete sobre o assuntoPor causa do ataque, as duas tiveram de ser internadas e medicadas para amenizar dores e sintomas de intoxicação. Grávida de três meses, Priscila Vieira Muniz, de 18 anos, aluna do curso de Análise de Sistemas, deixou o hospital anteontem. Ela teve queimaduras de segundo grau nas duas coxas, nádegas, costas e cotovelo. "Amanhã (hoje) vou fazer uma ressonância para saber se o bebê foi afetado", disse Priscila. Ela contou que foi atacada do lado de fora, quando deixava a faculdade. "Uma moça já tinha me dito que, se não me pegasse lá dentro, iria me pegar do lado de fora. E foi o que aconteceu", diz. Por causa da gravidez, Priscila pediu aos alunos do curso que a deixassem de fora do trote. "Isso aconteceu, mas havia uma menina de outro curso que acabou atacando minha amiga", contou a estudante Bruna Prado. "Fiquei tonta e passei a sentir enjoos e queimaduras nas costas", lembrou Priscila. "Se a faculdade não expulsar essa aluna, vou processar a escola."Outra estudante, Jéssica da Silva Rezende, de 17 anos, aluna de Letras, também foi vítima de trote dentro da faculdade. Depois de ter o corpo banhado de tinta, foi obrigada a participar de uma brincadeira. "Nesse momento alguém jogou o líquido nas minhas costas", contou. Em nota, a assessoria da fundação lamentou o incidente e informou que proibiu trotes tradicionais nos câmpus - mesmo assim, alunos continuaram com a recepção violenta do lado de fora. A fundação informou que vai acompanhar o inquérito para adotar medidas cabíveis. LEMEO estudante Bruno César Ferreira, vítima de agressão na segunda-feira durante trote feito por alunos do curso de Medicina Veterinária da Anhanguera Educacional, em Leme, identificou dois suspeitos. O titular do 1º DP de Leme, Fernando Bravo, disse que os suspeitos confirmaram ter assistido parte do trote, mas negaram participação . A Polícia Civil vai ouvir outras testemunhas até o fim da semana.