Uber expulsa motorista após denúncia de estupro de Clara Averbuck

Redação - O Estado de S. Paulo

Escritora relatou abuso sexual no Facebook: ‘O mundo é um lugar horrível para ser mulher’

A escritora gaúcha Clara Averbuck, de 38 anos

A escritora gaúcha Clara Averbuck, de 38 anos Foto: Instagram/@caverbuck

A escritora Clara Averbuck denunciou um motorista da Uber por tê-la estuprado dentro do carro em que os dois estavam. Nesta segunda-feira, 28, ela fez uma publicação no Facebook onde deu detalhes sobre o ocorrido.

“O nojento do motorista do Uber aproveitou meu estado, minha saia, minha calcinha pequena e enfiou um dedo imundo em mim, ainda pagando de que estava ajudando ‘a bêbada’. Estou machucada, mas estou em casa e medicada pra me acalmar”, escreveu Clara.

A empresa confirmou o afastamento do motorista denunciado pela escritora, mas Clara afirmou que ainda não sabe se tomará outras medidas legais.

“Estou decidindo se quero me submeter à violência que é ir a uma delegacia da mulher ser questionada, já que a violência sexual é o único crime que a vítima é quem tem que provar. Não quero impunidade de criminoso sexual mas também não quero me submeter à violência de Estado”, disse.

Confira o texto completo:

A publicação ganhou destaque nas redes sociais e centenas de internautas mandaram mensagens de solidariedade à escritora:

Pelo Twitter, Clara agradeceu o carinho recebido e a atenção prestada pela Uber:

A Uber divulgou um comunicado oficial sobre o ocorrido, afirmando que "repudia qualquer tipo de violência contra mulheres e que o motorista parceiro foi banido". "Estamos à disposição das autoridades competentes para colaborar com as investigações. Acreditamos na importância de combater, coibir e denunciar casos de assédio e violência contra a mulher", ressaltou a nota da empresa.