'Troquei meu sobrenome e fiquei livre', diz Nicolas Cage sobre seu parentesco com cineasta

Redação - O Estado de S.Paulo

Astro de sucessos como 'Despedida em Las Vegas', 'Vício Frenético' e 'Arizona Nunca Mais' falou sobre a relação com seu tio Francis Ford Coppola

Nicolas Kim Copolla

Nicolas Kim Copolla Foto: Thomas Peter/Reuters

O ator Nicolas Cage , 54 anos, nascido Nicolas Coppola, disse que trocou seu sobrenome no início da carreira para evitar insinuações de nepotismo e para não ser tratado de maneira diferente por ser sobrinho do lendário diretor da trilogia O Poderoso Chefão, Francis Ford Coppola . Nascido e criado em Long Beach, na Califórnia, o vencedor do Oscar de melhor ator em 1996 por Despedida em Las Vegas, disse, em entrevista ao The Guardian, que idolatrava o tio cineasta - irmão de seu pai - quando era criança. “Eu estava admirado por ele e queria sua aprovação. Eu amava a maneira como ele levava a vida, sempre ouvindo os Beatles e tocando guitarra”, disse.

Quando começou a atuar, ainda adolescente, resolveu eliminar o sobrenome Coppola, para evitar comparações, acusações de favorecimento ou bajulações. “Certos atores ficariam do lado de fora do meu trailer e falariam: ‘Como eu adoro o cheiro do Nicolas pela manhã!’”, brinca. “Eu pensei, eu não preciso disso. Então, eu mudei o sobrenome e fiquei livre”. Seu envolvimento familiar com sobrenomes famosos da indústria do entretenimento não para por aí. Duas das três ex-esposas de Cage são de famílias famosas: Patricia Arquette, com quem contracenou em Vivendo no Limite (1999), de Martin Scorsese, e Lisa Marie Presley, filha de Elvis Presley

Seu terceiro casamento, com Alice Kim, terminou recentemente, no início das filmagens de seu novo filme, Mandy, no qual ele interpreta um homem amargurado que busca fazer vingança com as próprias mãos aos assassinos de sua esposa, membros de uma gangue satânica de motoqueiros. O longa, um terror de ação - típico da filmografia de Cage deste século - dirigido por Panos Cosmatos, teve boa recepção em festivais como Cannes e Sundance e será lançado no dia 12 de outubro nos Estados Unidos.

O ator de comédias dos anos 1980 como Peggy Sue (1986), Feitiço da Lua (1987) e Arizona Nunca Mais (1987), de vários filmes de ação dos 1990, como A Rocha (1996) e A Rota da Fuga (1997) , e outros dramáticos como o aclamado Despedida em Las Vegas (1995), que lhe rendeu sua única estatueta da Academia, falou na mesma entrevista sobre sua versatilidade e sobre as vantagens de poder atuar em diferentes modelos de produção. “Eu gosto de romper formas, tentar coisas diferentes, e eu não acho que os estúdios sejam confortáveis com isso. Mas num filme independente, eu posso”, afirmou.

Cage é pai de dois filhos: Weston, de 27 anos, fruto de um relacionamento antigo, e Kal-El, mesmo nome dado ao Super-Homem quando bebê, de 13 anos. Por causa do nome do caçula, uma campanha na internet passou a pedir que Cage encarne o próximo Clark Kent nas telonas - o que o ator refuta. “Acho que meus dias de Super-Homem já se foram há muito tempo”, ele brinca. Um vilão, porém seria bem-vindo. “Seria incrível! Eu faria um ótimo Lex Luthor”.