Steven Tyler, do Aerosmith, pede que Trump não use suas músicas em eventos

Redação - O Estado de S.Paulo

Vocalista enviou uma notificação judicial por meio de sua advogada após o presidente americano usar a música 'Livin' on the Edge' em um comício

O músico Steven Tyler 

O músico Steven Tyler  Foto: Gus Ruelas / Reuters

Steven Tyler, vocalista do Aerosmith, está pedindo para o presidente Donald Trump parar de usar a música Livin' on the Edge em seus comícios. As informações são da Variety.

O vocalista enviou uma notificação judicial por meio de sua advogada Dina LaPolt para a Casa Branca acusando o presidente americano de violação intencional de direitos autorais ao usar a música, que foi escrita por Tyler, Joe Perry e Mark Hudson, sem autorização.

Na carta, a advogada da banda cita o Lanham Act, uma lei americana que protege conteúdo intelectual, destacando o trecho que proíbe "qualquer designação falsa ou descrição enganosa ou representação de fato que possa causar confusão ou sugerir afiliação, conexão ou associação de uma pessoa a outra, como patrocínio ou apoio".

A música foi tocada em um evento de Trump no Charleston Civic Center, na Virgínia Ocidental, na última terça-feira, 21.  De acordo com a carta, tocar a música em tais eventos dá a impressão que Tyler e a banda apoiam o presidente.

Essa não é a primeira vez que o Aerosmith pede para que Trump não use músicas da banda. Em 2015, durante a campanha eleitoral, o então candidato usou a música Dream On em seus eventos, e a banda enviou uma carta semelhante a enviada hoje.

"O que chama ainda mais atenção nessa violação é que o uso de nossa música pelo senhor Trump já foi impedido, não uma, mas duas vezes, durante a campanha presidencial em 2015. Como já dissemos várias vezes, o senhor Trump está criando a falsa impressão de que nosso cliente deu consentimento para o uso de sua música, e que até endossa a presidência de Trump", diz um trecho da carta.