Sandy lança EP visual sobre o período de isolamento

Diorman Werneck - O Estado de S.Paulo

Cantora lança, nesta quarta-feira, seu novo EP “10:39”, um projeto audiovisual que conta com três faixas

A cantora Sandy, que lança EP sobre período de isolamento na pandemia

A cantora Sandy, que lança EP sobre período de isolamento na pandemia Foto: Instagram@sandyoficial

Piloto Automático, Lua Cheia e Tempo foram as canções escolhidas por Sandy para expressar suas emoções durante o período mais rígido do isolamento social e que fazem parte do EP 10:39, lançado nesta quarta-feira, 14. “Eu adoraria que os três clipes fossem vistos nessa ordem, pois narram uma história”, comenta a cantora. “Mas todos estarão disponíveis de forma independente”, acrescenta.

São três regravações de duas bandas brasileiras: Lua Cheia, do 5 a Seco, e Piloto Automático, do Supercombo. A canção Tempo, de autoria de Sandy com o marido Lucas Lima, completa 10 anos de lançamento este ano, assim como seu primeiro álbum solo, Pés Cansados.

“A primeira live que fiz logo com uma semana de quarentena foi a primeira aparição em termos musicais. Eu encerrei com esta música, Tempo, porque eu sabia que tinha uma mensagem muito válida para este momento e comecei a chorar, me emocionei muito na hora”, conta Sandy sobre a escolha do reportório.

Segundo a cantora, os três clipes foram gravados durante duas tardes, no interior de São Paulo. “Trabalhamos com um número mínimo de pessoas para evitar contágio”.

O EP 10:39, número que é a soma da duração das três faixas que integram o projeto, já está disponível em todas as plataformas digitais.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Pra mim, como artista, seria impossível passar por esse período sem ser afetada de alguma maneira. A nossa profissão é toda baseada na nossa capacidade (ou necessidade) de expressar o que a gente sente em forma de arte. Mas, por algum motivo, quando eu pensava em compor, parecia que eu não conseguia ser completamente sincera ou suficiente. Quando a gente escreve com um assunto em mente, a gente se limita um pouco, e eu não queria, de maneira alguma, me apoiar em clichês ou correr o risco de soar minimamente oportunista. Por outro lado, acho que a arte, em suas diversas formas, ajudou a preservar um pouco a sanidade de muita gente durante esse ano, e comigo não foi diferente. Filmes, séries, músicas, livros, artes plásticas… me tocaram de um jeito indescritível e que ajudou a acalmar o coração em diversos momentos. E algumas canções específicas que eu já amava há muito tempo, de repente, se mostraram pra mim com um sentido completamente novo e inesperado. Assim nasceu a necessidade de fazer esse EP. “Piloto Automático”, da banda Supercombo, que conheci quando fui jurada do programa Superstar, “Lua Cheia”, da banda 5 a Seco da qual sou fã há anos e “Tempo”, que gravei no meu álbum de estreia da carreira solo, redescobri e que, nesse momento, tomou um tamanho muito maior do que tinha quando a compus, 11 anos atrás. Três músicas que viraram uma só, que se confundem uma com a outra, assim como as horas, os dias e os meses desse ano maluco. Produzi em casa, com a família e com poucos músicos que gravaram à distância suas lindas participações. Para ilustrar essas canções, chamei um artista que conheci e por cujo trabalho me encantei durante esse período, chamado Thainan Castro, que me presenteou com essa obra tão sensível, delicada e simbólica. Quando liguei pra meu amigo Douglas Aguillar (que me acompanhou e registrou todo o meu “ano de Sandy e Junior”) pedindo pra ele me ajudar a traduzir essas músicas em imagens, fomos à fazenda onde trabalha um amigo de infância e filmamos não um clipe, mas um sentimento, uma alegoria -> continua nos comentários <-

Uma publicação compartilhada por Sandy (@sandyoficial) em