Ronald Golias nascia há 90 anos; relembre sua trajetória na TV

André Carlos Zorzi - O Estado de S.Paulo

Humorista, que morreu em 2005, ficou marcado por personagens como Bronco e Pacífico, além de bordões como 'Ô Cride, fala pra mãe!'

Ronald Golias

Ronald Golias Foto: Arquivo / Estadão

Em 4 de maio de 1929, há exatos 90 anos, nascia Ronald Golias, um dos maiores humoristas da história do Brasil.

Golias ficou conhecido por personagens como Carlos Bronco Dinossauro, Pacífico, o Profeta, Niquinho e Bartolomeu Guimarães e bordões como "Ô Cride, fala pra mãe!", "'Ôces' goza, mas no fim quem 'goza' ocês sou eu" e "Parece que foi ontem!".

"A minha missão é fazer as pessoas rirem. Costumo dizer que somos carteiros: temos a missão de entregar. Temos de evitar que a carta chegue molhada e devemos caprichar na entrega e, principalmente, gostar do que fazemos", afirmava, em vida.

Relembre a seguir alguns dos principais momentos da carreira de Ronald Golias ao longo de sua trajetória.

'Ô Cride, fala pra mãe!'

Ronald Golias e Carlos Alberto de Nóbrega em gravação de 'A Praça É Nossa' em 1990. 

Ronald Golias e Carlos Alberto de Nóbrega em gravação de 'A Praça É Nossa' em 1990.  Foto: Arquivo / Estadão

O bordão mais conhecido de Ronald Golias, dito por seu personagem Pacífico, foi inspirado em Euclides Gomes dos Santos, o 'Cride', seu amigo de infância em São Carlos, no interior de São Paulo.

Os dois costumavam procurar latinhas nas ruas para vender e ganhar dinheiro para comprar doces, mas a mãe de Euclides gritava para que ele voltasse para casa. Eis que surgiu o bordão: "Ô Cride, fala pra mãe!"

Euclides morreu em 7 de junho de 2015, aos 88 anos de idade, em São Carlos, após lutar contra uma leucemia. Um ano antes de sua morte, ele se encontrou com músicos da banda Titãs, que têm o refrão da música Televisão em homenagem ao bordão de Golias. A canção, inclusive, foi tema de abertura do humorístico Tá no Ar: A TV na TV.

Família Trapo

Helena (Renata Fronzi), Sócrates (Ricardo Corte Real), Verinha (Cidinha Campos), Peppino (Otello Zeloni), Bronco (Ronald Golias) e Gordon (Jô Soares), a 'Família Trapo'.

Helena (Renata Fronzi), Sócrates (Ricardo Corte Real), Verinha (Cidinha Campos), Peppino (Otello Zeloni), Bronco (Ronald Golias) e Gordon (Jô Soares), a 'Família Trapo'. Foto: Arquivo / Estadão

Foi vivendo Carlos Bronco Dinossauro em Família Trapo que Ronald Golias foi alçado, de fato, ao estrelato. O seriado, escrito por Carlos Alberto de Nóbrega e Jô Soares e exibido pela Record entre 1967 e 1971, marcou época.

"Bronco é do tipo que você convida para ir a uma festa e é o primeiro a chegar e o último a sair. Acho que é um tipo próximo do espiritualismo, do bom espiritualismo. Ele causa bem-estar ao ambiente", analisava, em entrevista ao Estado, em 1986.

O episódio mais conhecido, provavelmente, é o que conta com a participação de Pelé, à época em que ainda estava em atividade pelo Santos. O episódio, gravado em 10 de novembro de 1967, foi ao ar no dia seguinte.

Em Família Trapo, Ronald Golias dividia a cena com Otello Zeloni, Renata Fronzi, Cidinha Campos e Jô Soares, que vivia o mordomo Gordon. Durante a festa de 18 anos do SBT no Olympia, em 1999, Jô se dirigiu a Golias: "Foi um privilégio ter aprendido tanto com você".

Assista ao episódio completo de Família Trapo com participação de Pelé abaixo:

Ronald Golias e o improviso

Golias ficou consagrado também pelo seu domínio da arte do improviso

"Quando é que você vai improvisar? Quando o texto é bom. Não adianta querer improvisar num texto que não é bom, porque aí já fica meio complicado. É como um bate-papo. Gosto muito de improvisar, tenho preguiça de escrever", contava.

Anúncio do programa 'Bacará com 76', estrelado por Ronald Golias, veiculado no jornal O Estado de S. Paulo em 11 de maio de 1976.

Anúncio do programa 'Bacará com 76', estrelado por Ronald Golias, veiculado no jornal O Estado de S. Paulo em 11 de maio de 1976. Foto: Acervo / Estadão

Segundo Carlos Alberto de Nóbrega, na década de 1990, por conta dos improvisos de Golias, os quadros de cinco minutos que iam ao ar em A Praça É Nossa levavam 13 para ser gravados - e eram posteriormente editados.

Início na rádio e sucesso na TV

Antes de ser humorista, Ronald Golias trabalhou como ajudante de alfaiate, revitalizador de hortas, funileiro, fabricante de presépios e agente de seguros. Foi assistindo ao filme Escola de Sereias em um cinema sãocarlense que resolveu migrar para o mundo artístico. Pouco depois, integrava um grupo de 'aqualoucos' fazendo saltos ornamentais.

Anúncio de programa de TV estrelando Ronald Golias, Manoel de Nóbrega e Carlos Alberto de Nóbrega, veiculado no jornal 'O Estado de S. Paulo' em 26 de julho de 1962.

Anúncio de programa de TV estrelando Ronald Golias, Manoel de Nóbrega e Carlos Alberto de Nóbrega, veiculado no jornal 'O Estado de S. Paulo' em 26 de julho de 1962. Foto: Acervo / Estadão

O primeiro destaque de Ronald Golias veio na Rádio Cultura de São Paulo, em um programa de calouros apresentado por Lilico Swing. 

Em seguida, foi levado para a Rádio Nacional por Manoel de Nóbrega, onde atuou em programas como A Praça da Alegria, Folias de Golias e O Grande Espetáculo. Com Nóbrega, foi também para a TV Paulista, e, na década de 1960, para a TV Record.

Na década de 1950, Ronald Golias recebeu o Prêmio Roquete Pinto, por seu trabalho como "intérprete cômico" na rádio em 1956 e, nos anos seguintes, já na TV, onde começou em 1957, como "teleator humorístico".

Ronald Golias e Grande Otelo em cena do filme 'O Homem que Roubou a Taça do Mundo', de Victor Lima 

Ronald Golias e Grande Otelo em cena do filme 'O Homem que Roubou a Taça do Mundo', de Victor Lima  Foto: Arquivo / Estadão

Entre tantos prêmios ao longo da carreira, Ronald Golias também recebeu o Troféu Imprensa. Em 1967, após o jornalista Nilo Scalzo, do Estado, lhe entregar o de melhor comediante masculino, agradeceu e voltou ao seu lugar. Um minuto depois, voltou ao microfone: haviam lhe entregado a estatueta de melhor produtor de TV

Ronald Golias longe da TV 

Na virada para os anos 1980, Golias passou sete anos afastado da TV, cuidando de uma fazenda e realizando alguns shows espalhados pelo Brasil. "As pessoas me perguntam por quê estou fora do vídeo. Pior seria se me perguntassem por que estou lá", brincava.

Em 1987, retornou às telas com um programa semanal na Band, comemorando seus 30 anos de carreira na televisão.

Ronald Golias ao lado da amiga Nair Bello na gravação do aniversário de 18 anos do programa de Hebe Camargo no SBT, realizada na Sala São Paulo em março de 2004. 

Ronald Golias ao lado da amiga Nair Bello na gravação do aniversário de 18 anos do programa de Hebe Camargo no SBT, realizada na Sala São Paulo em março de 2004.  Foto: Janete Longo / Estadão

Posteriormente, passou a integrar o elenco de A Praça É Nossa, vivendo diversos personagens até o fim de sua vida. Estrelou também outros programas, como A Escolinha do Golias.

Ronald Golias também fez diversos papéis no cinema. Ao longo de sua carreira, contracenou ao lado de nomes importantes como Grande Otelo, Ankito, Moacyr Franco, Hebe Camargo, Nair Bello, Renato Aragão, Carlos Alberto de Nóbrega e Mussum.

Ronald Golias ao lado de Carlos Alberto de Nóbrega e Hebe Camargo em gravação de 'A Praça É Nossa' em 2003. 

Ronald Golias ao lado de Carlos Alberto de Nóbrega e Hebe Camargo em gravação de 'A Praça É Nossa' em 2003.  Foto: SBT / Divulgação

'O esporte ajuda muito o humorismo' - Ronald Golias e o futebol

Ronald Golias bate bola com Pelé em episódio da 'Família Trapo' exibido em 1967. 

Ronald Golias bate bola com Pelé em episódio da 'Família Trapo' exibido em 1967.  Foto: Arquivo / Estadão

Além da Família Trapo com Pelé, a relação de Ronald Golias com o futebol é antiga. O humorista fez parte do Miss Campeonato, programa que marcou época no rádio e TV nas décadas de 1950 e 1960, no qual ele, que é corintiano, representava um personagem são paulino.

Em agosto de 1987, numa partida que, à época, era considerada como o "milésimo jogo do estádio do Morumbi", Golias esteve presente no gramado usando um uniforme com metade da camisa do Corinthians, e metade do São Paulo - clube que já havia homenageado o humorista meses antes.

Em 18 de agosto de 1968, embalados pelo sucesso da Família Trapo, Ronald Golias e Otelo Zeloni foram chamados para participar da preliminar do jogo entre América-MG, time que os contratou, e Cruzeiro, considerado um clássico do futebol mineiro à época.

Ronald Golias jogou como ponta de lança do time de veteranos do América, enquanto Zeloni foi um dos zagueiros dos rivais cruzeirenses.

Ronald Golias se reencontra com Pelé na TV durante programa do apresentador Ratinho, décadas após a exibição do célebre episódio de 'Família Trapo'.

Ronald Golias se reencontra com Pelé na TV durante programa do apresentador Ratinho, décadas após a exibição do célebre episódio de 'Família Trapo'. Foto: SBT / Divulgação

Em abril de 1969, quando as equipes se enfrentaram novamente, a ideia de uma apresentação de Golias chegou a ser cogitada pela diretoria, que desistiu posteriormente, conforme consta em edição do Estado da época:

"Os dirigentes do clube achavam que Golias poderia levar uma renda maior, mas logo a imprensa entrou com um outro argumento: 'jogo do América, para dar alguma renda, tem que ter humorismo'."

Ronald Golias também esteve presente no filme Projeto Zico, sobre o craque do Flamengo. Em entrevista ao Estado em 15 de janeiro de 1999, o ex-jogador afirmou que se inspirou em Ronald Golias para algumas cenas de seu filme Uma Aventura do Zico: "Aquele boné virado para o lado foi tirado de um personagem dele que eu adoro, o Pacífico".

Ronald Golias ao lado do atacante Ademar, então jogador do São Caetano, em janeiro de 2001, durante gravação de programa humorístico do SBT com Moacyr Franco no Bar Terapia da Cerveja, na Lapa. 

Ronald Golias ao lado do atacante Ademar, então jogador do São Caetano, em janeiro de 2001, durante gravação de programa humorístico do SBT com Moacyr Franco no Bar Terapia da Cerveja, na Lapa.  Foto: Eduardo Nicolau / Estadão

Em entrevista a Juca Kfouri, em 1998, porém, Golias se mostrava um saudosista: "Antigamente eu ia muito ao Pacaembu. Mas um time era conservador com seus craques, ficavam muitos anos, a gente esperava a hora de entrar um Servílio... Hoje você perdeu muito da sensação de porquê torcer pro time." 

Também não foram poucas as vezes em que técnicos, como Falcão, em sua época de Internacional na década de 1990, e Cilinho, na Ponte Preta, em 1971, levaram seus atletas para prestigiar espetáculos de Ronald Golias.

"O esporte ajuda muito o humorismo", ressaltava.

Histórias de Ronald Golias

Ronald Golias e Moacyr Franco em foto de novembro de 1987, primeiro ano de gravação de 'A Praça É Nossa'. 

Ronald Golias e Moacyr Franco em foto de novembro de 1987, primeiro ano de gravação de 'A Praça É Nossa'.  Foto: Arquivo / Estadão

Segundo Carlos Alberto de Nóbrega, em determinada ocasião, Ronald Golias recusou uma oferta de aumento salarial. "Carlos Alberto, estou satisfeito com o que eu ganho. Tá bom pra mim. Tem muita gente ganhando mal. Esse dinheiro que vocês vão dar pra mim, divide entre os colegas que precisam", teria sido sua resposta.

Em 1967, impressionado com o sucesso do Festival de Música Popular, Ronald Golias sugeriu a Renato Correa de Castro, então coordenador da TV Record, que fosse criado um projeto semelhante voltado ao humor, possibilitando a descoberta de novos talentos e o recebimento de um prêmio de 10 milhões de cruzeiros.

Ronald Golias, o 'Bronco', em foto de junho de 1987.

Ronald Golias, o 'Bronco', em foto de junho de 1987. Foto: Antonio Lucio / Estadão

Na ocasião da prisão de Carlos Imperial, em 1969 com base na legislação do Ato Institucional Número 5 (AI-5), durante a ditadura militar, o secretário da Segurança da Guanabara, general Luiz de França Oliveira, declarou que Ronald Golias teria de explicar o motivo de ter permitido que Imperial "incorresse em falta de decoro, ofensas morais e desrespeito às autoridades durante o seu programa na TV Tupi" exibido em 2 de janeiro daquele ano.

Em 1973, o prefeito da cidade de Campinas, Lauro Pericles Gonçalves, enviou um ofício ao Serviço de Censura Federal pedindo "providências contra os pseudoartistas Ronald Golias e Renato Aragão", que estavam na Record, à época.

Ronald Golias ao lado de Renato Aragão em abril de 2000, durante gravação em comemoração aos 50 anos da TV. 

Ronald Golias ao lado de Renato Aragão em abril de 2000, durante gravação em comemoração aos 50 anos da TV.  Foto: Arquivo / Estadão

O motivo seria o fato de ambos "sistematicamente referirem-se à cidade por meio de personagens homossexuais". "É vergonhoso e injustificável que um canal de televisão se preste a divulgar tão grosseira e injustificada deseducação", prosseguia o ofício.

A morte de Ronald Golias

Ronald Golias morreu na madrugada de 27 de setembro de 2005, após uma insuficiência de múltiplos órgãos, aos 76 anos. Ele havia sido internado três semanas antes, no dia 8, com uma infecção generalizada decorrente de uma infecção pulmonar. Desde março, ele já vinha apresentando problemas na sua voz.

Seu velório foi realizado na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, e seu corpo enterrado no Cemitério do Morumbi.

"Uma das últimas coisas que ele me disse foi: 'Não tenho medo da minha doença. Eu tenho saudades de fazer a Praça'. [...] Foi a pessoa mais pura e humilde que conheci na minha vida", lamentou Carlos Alberto de Nóbrega, à época.