Rafinha Bastos e Cauê Moura falam sobre PC Siqueira em reencontro

Redação - O Estado de S.Paulo

Estreia de podcast marcou a primeira vez em que os dois se encontraram após fim do canal 'Ilha de Barbados' por conta de denúncias de pedofilia envolvendo ex-colega

Rafinha Bastos e Cauê Moura

Rafinha Bastos e Cauê Moura Foto: YouTube / @Rafi Bastos

Rafinha Bastos lançou o episódio de estreia de seu novo podcast, Mais Que 8 Minutos, nesta segunda-feira, 30. Seu primeiro entrevistado foi Cauê Moura, com quem trabalhou no canal de YouTube Ilha de Barbados, que chegou ao fim após acusações de pedofilia envolvendo seu terceiro membro, PC Siqueira.

"A gente está se 'trombando' pela primeira vez desde a pandemia, desde o [fim do] Ilha de Barbados, a gente não tinha se falado a respeito disso", destacou Cauê em referência às acusações. 

"Essa parada me machucou muito. Por uma série de fatores. O primeiro de todos foi o choque no momento em que tudo aconteceu. Porque em menos de duas horas não estava só o nome dele nos trending topics, estava o meu, também", continuou o youtuber.

"Eu fiquei muito puto depois com a situação toda, porque, sabe, era um canal em três pessoas. A gente lidava com assuntos em que a gente falava sobre sexo, essas coisas. Se estourasse um escândalo de qualquer um de nós três relacionado a isso, os três iam se fuder. Entendo até o que ele pode estar sentindo agora, e isso não sai da minha cabeça, que virei as costas, ou coisa do tipo, mas eu precisei", prosseguiu. 

Enquanto Cauê Moura destacou ter ficado "triste" ao se deparar com a situação, Rafinha Bastos contou como reagiu: "Eu fiquei com muita raiva, mesmo. A raiva é um sentimento terrível."

"Esperava que ele tivesse algum pronunciamento que pelo menos não ficasse essa incógnita sobre todo mundo ao redor. E rolou um movimento meio egoísta [por parte de PC Siqueira], de 'pensar só em mim' e 'como vou me livrar desse B.O. que está nas minhas costas'", criticou o humorista.

Entenda as acusações envolvendo PC Siqueira

As acusações surgiram após o perfil de Twitter ExposedEmo1 publicar um vídeo que mostra suposta conversa no Instagram em que o youtuber se referiria a uma criança de seis anos em contexto sexual.

PC Siqueira, então, chegou a postar um comunicado alegando que "jamais cometeu ou cometeria" o crime do qual estava sendo acusado. A postagem foi deletada posteriormente. Dias depois, a Polícia Civil do Estado de São Paulo passou a investigá-lo.

"O suspeito e testemunhas foram ouvidos e a autoridade policial solicitou informações junto às empresas que administram as redes sociais por onde circularam as denúncias", informou a entidade, à época.

Meses depois, em 26 de novembro, PC Siqueira voltou a postar vídeos novos em seu canal de YouTube, incluindo um novo comunicado sobre as acusações (confira a íntegra aqui).

O fim do Ilha de Barbados

Logo após as acusações, o canal Ilha de Barbados desabilitou todos os seus vídeos do YouTube. "O objetivo é preservar os profissionais envolvidos com o canal e que em nada tem a ver com as acusações sobre PC Siqueira. Uma frase descontextualizada das milhares de horas de conteúdo pode virar uma arma na mão de pessoas mal-intencionadas", constou em comunicado.

Cauê Moura também esclareceu o fim do canal à época: "No momento, eu e Rafinha não vemos sentido em seguir com as atividades do Ilha de Barbados. Estamos perplexos e decepcionados." Já Rafinha Bastos publicou um vídeo em tom de desabafo contando estar "com muita raiva e frustrado" com os acontecimentos.

Em outubro, a dupla chegou a cogitar um possível retorno - sem a presença de PC Siqueira - em postagem feita nas redes sociais.