Rafinha Bastos e Cauê Moura cogitam retomar parceria do Ilha de Barbados

Redação - O Estado de S.Paulo

Canal chegou ao fim após seu outro membro, PC Siqueira, que não mantém contato com a dupla desde então, ser acusado de pedofilia

Rafinha Bastos e Cauê Moura em vídeo antigo do canal Ilha de Barbados

Rafinha Bastos e Cauê Moura em vídeo antigo do canal Ilha de Barbados Foto: YouTube / @Ilha de Barbados

Rafinha Bastos e Cauê Moura falaram sobre um possível retorno da parceria feita entre a dupla no canal Ilha de Barbados, que chegou ao fim após a saída de seu outro integrante, PC Siqueira, que enfrentou acusações de pedofilia no último mês de junho.

Rafinha publicou em seu Twitter nesta quinta-feira, 22, um print de conversa com Cauê na qual diz: 'Vamos voltar o Ilha!". "Quando quiser, estamos aí", responde o amigo. O humorista, então, questionou ao seu público: "Vamos?"

Também na rede social, Cauê respondeu a um fã que sugeriu um "podcast de entrevistas" comandado pela dupla. "Essa era a minha ideia, mas o vacilão quer voltar a morar na gringa [antes da pandemia, Rafinha Bastos vinha trabalhando como humorista nos Estados Unidos]", disse, usando como referência o podcast brasileiro Flow.

O Estadão buscou contato com a equipe da dupla a respeito da possibilidade, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

À época das acusações a PC, tanto Cauê Moura quanto Rafinha Bastos publicaram relatos nas redes sociais indicando seu afastamento e decepção em relação ao ex-colega, que não é citado para o possível retorno.

Entenda o fim do Ilha de Barbados

No último mês de Junho, PC Siqueira foi acusado de pedofilia após o vazamento de um suposto vídeo em que se referiria a uma criança de seis anos em contexto sexual. À época, ele negou as acusações. Ele se afastou das redes sociais e tirou seu canal do YouTube, o MaxPoxaVida, do ar. Pouco depois, prestou depoimento à polícia civil de São Paulo sobre o caso.

Após as acusações, o canal Ilha de Barbados desabilitou todos os seus vídeos do YouTube. "O objetivo é preservar os profissionais envolvidos com o canal e que em nada tem a ver com as acusações sobre PC Siqueira. Uma frase descontextualizada das milhares de horas de conteúdo pode virar uma arma na mão de pessoas mal-intencionadas", constou em comunicado.

Cauê Moura também esclareceu o fim do canal à época: "No momento, eu e Rafinha não vemos sentido em seguir com as atividades do Ilha de Barbados. Estamos perplexos e decepcionados." Já Rafinha Bastos publicou um vídeo em tom de desabafo contando estar "com muita raiva e frustrado" com os acontecimentos.