Pussycat Dolls nega denúncias de prostituição feitas por ex-integrante

Redação - O Estado de S.Paulo

O grupo rechaçou as acusações de Kaya Jones de que seria uma ‘rede de prostituição’

As Pussycat Dolls enviaram comunicado para a imprensa negando as acusações de uma ex-integrante de que a banda seria uma 'rede de prostituição'

As Pussycat Dolls enviaram comunicado para a imprensa negando as acusações de uma ex-integrante de que a banda seria uma 'rede de prostituição' Foto: Mahmoud Kheir/Reuters

O grupo musical Pussycat Dols negou as acusações feitas na última segunda-feira, 16, pela ex-integrante Kaya Jones, de que a girl band seria, na verdade, uma "rede de prostituição". No Twitter, ela escreveu que as integrantes da banda eram obrigadas a dormir com executivos musicais para conquistar espaço.

“Nós não podemos ficar quietas quanto às falsas acusações sobre outros membros do grupo participando de atividades que não aconteceram”, escreveram em comunicado obtido pela revista Entertainment Weekly. “Fazer comparações entre nossas atividades profissionais no Pussycat Dolls com um grupo de prostituição não só desvaloriza tudo pelo o qual nós trabalhamos em todos esses anos, mas também tira o foco das milhões de vítimas que estão denunciando abusos pelo mundo inteiro”, continuaram.

A banda afirmou que não presenciou nada que Kaya alega ter acontecido e ainda oferece apoio à ex-colega caso ela precise. “Se Kaya participou de alguma experiência de que nós não soubemos, a encorajamos a procurar ajuda e a lembramos que estamos aqui para prestar apoio”, finalizaram.