Para andar pelas ruas, Paul McCartney finge ser outra pessoa

- Bang Showbiz

'Se alguém me pergunta se sou o Paul McCartney, eu respondo: 'Está brincando? Você acha que ele usaria o metrô?'', disse o ex-Beatle

 

  Foto: Bang Showbiz

Paul McCartney dispensa motoristas particulares e carros de luxo para manter ativo um de seus hábitos: utilizar transporte público. Por ser mundialmente famoso, prontamente é reconhecido. Mas para evitar o assédio e eventuais incômodos, ele finge ser outra pessoa.

"Eu gosto de viajar em transporte público. Desde que eu era criança eu sempre pagava ônibus, descia uns pontos depois e andava ao redor. Em Nova York, Paris ou Londres, às vezes eu pego o metrô. O bom do metrô é que ninguém repara em ninguém. Se alguém me pergunta se sou o Paul McCartney, eu respondo: 'Está brincando? Você acha que ele usaria o metrô?'. E então respondem: 'É, você está certo'", disse o ex-Beatle à revista Q.

Em 1995, Paul, Ringo Starr e George Harrison trabalharam juntos no projeto Anthology - um documentário de três volumes e dois álbuns, e um livro sobre a história dos Beatles - e embora o cantor de Hey Jude admita que sua motivação por trás da aventura era dizer a verdade sobre o grupo, ele e seus colegas logo acharam diferentes lembranças de uma mesma situação.

"O que estava acontecendo - e ainda acontece - é que as pessoas estavam escrevendo sobre fatos erroneamente o tempo todo. Então nós decidimos que tentaríamos criar o que chamávamos de A Bíblis. A verdade sobre a história. Era fútil porque quando nós nos juntamos, lembrávamos de muitas coisas em comum, mas meio que eram coisas que lembrávamos de formas diferentes", disse.